cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Até o Facebook copia Marvel com seu Metaverso?

    Metaverso é uma espécie de universo virtual 3D, que muitos chamam de futuro da internet
    Por Daniel Reininger
    04/11/2021 - Atualizado há 22 dias

    É engraçado ver como palavras pouco usadas têm se tornado cada vez mais comuns. Até ontem, o termo multiverso estava relegado a leitores de quadrinhos e cientistas, além de alguns entusiastas, mas com a Marvel Studios o termo se popularizou.

    Agora vemos o mesmo acontecer com outra palavra que já ronda o mundo há tempos, mas só ganhou espaço quando o conglomerado Facebook passou a se chamar Meta: o metaverso

    Apesar da brincadeira, os dois podem mesmo ser confundidos pela nova moda dos "versos", por isso vamos esclarecer o que é cada um e como eles podem se relacionar... se é que podem.

    Metaverso vs Multiverso

    Multiverso e metaverso são palavras que soam bem parecidas, certo? Ambas foram popularizadas recentemente, mas será que metaverso seria popularizada se, antes, a Marvel não tivesse explorado o termo multiverso? Fica a dúvida.

    Antes de mais nada é preciso deixar claro que não existe nada a ver uma coisa com a outra. O metaverso é uma espécie de universo virtual 3D que promete ser o futuro da internet. Uma ideia bem comum em obras de temática Cyberpunk

    Já o multiverso é um termo usado para descrever o conjunto hipotético de universos possíveis, incluindo o universo em que vivemos. Juntos, esses universos compreendem tudo o que existe. 

    Quando os cientistas falam de Universo, normalmente se trata do Universo observável. Quando se fala em Multiverso, se fala dos Universos paralelos que não podemos confirmar que existem.

    Se existe uma relação entre multiverso e metaverso é que, na prática, a nossa realidade offline estará separada da nossa realidade Virtual, que será tão real quanto a primeira. 

    O diferencial é que provavelmente os dois universos, offline e online, estarão interconectados e dependentes um do outro para sempre, diferente do Multiverso, que pode ser separado novamente, como vemos nas histórias em quadrinhos.

    E não, o multiverso não é algo comprovado pela ciência, é uma teoria. Porém, em histórias de ficção científica é algo bem real! Já o metaverso está perto de chegar em nossas vidas!

    Cena de Homem-Aranha - Sem Volta pra CasaReprodução

    Multiverso da Marvel

    Para ficar mais claro: O multiverso da Marvel é onde diversos mundos paralelos, como o do Homem-Aranha de Tobbey Mcguire, por exemplo, existe separado do Universo do Peter Parker de Tom Holland, mas ambos existem e fazem parte da realidade. No novo filme do Aranha, personagens irão cruzar de um universo para o outro após eventos catastróficos. Veremos isso em Homem-Aranha: Sem Volta para Casa.

    No caso do filme, são dois Universos separados, ambos reais e totalmente separados, mas que serão unidos por algum motivo criado pelos roteiristas do estúdio. E a treta começa aí. Vimos um pouco disso também em Homem-Aranha no Aranhaverso, lembra?

    Todo mundo quer ver os três atores que viveram o Homem-Aranha juntos na tela, certo? Só será possível pela união do multiverso. Multi, não Meta. 

    Metaverso

    Agora é hora de falar do tal metaverso. Esse é o nome do mundo virtual que tenta replicar a realidade através de dispositivos digitais. É um espaço coletivo e virtual, que mistura realidade virtual, realidade aumentada e a própria internet.

    A ideia é que, no futuro, vamos interagir com a internet como se estivéssemos literalmente "dentro" dela. Já assistiu Jogador Nº1? Ou Matrix? É mais ou menos essa a ideia, onde cada pessoa terá seu avatar virtual e, por meio deles, poderão conversar, trabalhar e se conectar com amigos e parentes. Explorando a internet aberta dessa forma.

    Para entrar nesse mundo virtual, as pessoas precisarão de óculos especiais e maneiras de navegar pelos conteúdos de forma ágil, como fazemos hoje com nossos computadores e smartphones. A tecnologia já existe, mas versões mais comerciais estão em desenvolvimento.

    Hoje já temos algo parecido com os videogames, afinal de contas, são mundos virtuais amplos, muitas vezes quase tão ricos quanto a realidade.

    Keanu Reeves como Neo em arte de MatrixDivulgação (Warner)

    Meta, a dona do Facebook

    O chefão da marca, Mark Zuckerberg, mudou o nome da empresa para refletir seu novo foco: construir o metaverso. Para a Meta, trata-se da maior revolução na maneira como interagimos online desde a invenção do smartphone. E ele quer que a sua empresa seja a pioneira dessa nova internet, a ponto de ser diretamente associada a ela.

    “Todos os nossos produtos, incluindo nossos aplicativos, agora compartilham uma nova visão: ajudar a trazer o metaverso à vida. Agora, temos um nome que reflete a amplitude do que fazemos”, explicou Zuckerberg.

    "Ao invés de apenas olhar para a tela, você estará nela", afirmou Sue Young, diretora de produtos do Facebook, em encontro realizado com jornalistas. "Já que passamos tanto tempo em frente a telas, queremos que seja um tempo de qualidade."

    A empresa já tem aplicativos, como o Horizon Worlds, que permitem criar seu avatar e explorar o Facebook como um ambiente 3D. 

    Zuckerberg promete investir mais de US$ 200 milhões na sua visão do metaverso, incluindo US$ 150 milhões na formação de programadores capazes de construir os ambientes virtuais necessários.

    É, a coisa é série. As grandes empresas querem mesmo criar essa nova realidade!

    Muito além do Facebook

    Outras empresas já investem no futuro da internet.  Em 2021, a Epic Games, conhecida pelo game Fortnite, levantou US$ 1 bilhão em uma rodada de investimentos para financiar "sua visão de longo prazo para o metaverso".

    Skin do Homem de Ferro em FortniteReprodução/Epic Games

    A Microsoft anunciou nesta quinta, 4 de novembro, que o Teams entrará no metaverso e terá avatares em 3D e ambientes virtuais para reuniões. Segundo o The Verge, a Microsoft até irá utilizar inteligência artificial para ouvir a voz de uma pessoa e usá-la para animar seu avatar.

    “Somos capazes de interpretar seu tom de voz para animar o avatar, então vai parecer que [o avatar] está presente e ali com você”, explicou Katie Kelly, gestora principal de produtos na Microsoft Mesh.

    Kelly, por sua vez, está alinhada à expectativa de Zuckerberg, que demonstrou estar otimista no anúncio da reformulação Meta da semana passada.

    “No metaverso, você poderá fazer quase qualquer coisa que puder imaginar: se reunir com amigos e família, trabalhar, aprender, jogar, comprar, criar”, afirmou ele, acrescentando que as pessoas “poderão se teletransportar instantaneamente como um holograma e estar no escritório sem precisarem se locomover”.

    Metaverso e o cinema

    A brincadeira entre metaverso e multiverso não passa disso, uma brincadeira, mas a realidade em torno do primeiro é que ele pode revolucionar as nossas vidas de maneiras que nem imaginamos.

    No caso do cinema, por exemplo, é bem provável que seja possível ir a um cinema virtual com seu Avatar, sentar e assistir ao filme ao lado de pessoas do Brasil todo, com direito a um espaço para discussões após a sessão.

    Ou mais além, filmes podem ser feitos de forma a colocar nossos Avatares diretamente no meio da ação, algo como vemos nos jogos, mas ainda um entretenimento passivo, no qual apenas observamos e não interagimos.

    E nem preciso falar do cinema interativo. Algo que já é uma realidade, principalmente no streaming, e pode vir a ser uma experiência única, ampliada e facilitada pelo Metaverso.

    As possibilidades são inúmeras. Já imaginou ver Os Vingadores em ação, com você no meio da porrada? Interagindo ou não?

    O metaverso veio para ficar e o seu impacto será sentido em todas as áreas de nossas vidas daqui a alguns anos.

    Veja mais