Bom Dia, Verônica: confira entrevista exclusiva com elenco e criadores

Falamos com Tainá Müller, Camila Morgado, Eduardo Moscovis, Ilana Casoy e Raphael Montes sobre a série que chega à Netflix amanhã (01)

30/09/2020 19h30

Por Thamires Viana

Bom Dia, Verônica, série baseada no romance policial homônimo da criminóloga Ilana Casoy e do escritor Raphael Montes, faz sua aguardada estreia na Netflix nesta quinta-feira (01).

Esse é o primeiro thriller original do streaming no Brasil e sua trama é repleta de suspense e muita ação! Estrelada por Tainá Müller, Camila Morgado e Eduardo Moscovis, a atração tem um ritmo frenético ao acompanhar Verônica, uma escrivã da Delegacia de Homicídios de São Paulo que se envolve profundamente em duas investigações para ajudar mulheres vítimas da violência e da injustiça.

Cena de Bom Dia, Verônica

Em entrevista exclusiva ao Cineclick, Tainá Müller, intérprete de Verônica, contou que a personagem tem um lado forte e com sede de justiça, mas que também tem momentos de fragilidade. "A Verônica é uma personagem multifacetada e que na melhor das boas intenções ela erra... Eu quis complexificar ao máximo e encontrar esse equilíbrio, onde ela às vezes é forte, mas também se permite desabar, como todos nós", contou a atriz.

Bom Dia, Verônica se diferencia dos demais dramas policiais por trazer às telas elementos pouco abordados no Brasil, como a história e os crimes de um serial killer inteligente e perigoso. Eduardo, que vive o assassino em série, contou durante a entrevista que enfrentou algumas dificuldades para encarar e interpretar seu personagem na trama. "Não foi nada prazeroso. Eu agradecia imensamente o convite, agradecia fazer parte disso, mas foi muito difícil estar nesse lugar de dar voz e corpo a esse tipo de comportamento", revelou. 

Eduardo Moscovis - Bom Dia, Verônica

No papo, Ilana Casoy, roteirista e produtora executiva, e Raphael Montes, criador e roteirista, revelaram alguns detalhes sobre essa abordagem e falaram sobre a importância de alertar sobre o assunto. A série também vai além de um entretenimento e abre uma discussão para assuntos importantes com os personagens Brandão e Janete (Camila Morgado) retratando a violência doméstica contra as mulheres.

"Eu quero muito que esse ciclo que a Janete traz para nós na série mostre cada etapa e cada detalhe que não parece ser violento, mas que é. Não poder usar o celular, não ter acesso à família, as agressões verbais... São alertas", afirma Ilana. "A dramaturgia tem o poder de entreter, o que é muito importante, mas ela também tem um alcance muito grande. Então além de entretenimento, a gente também discute, denuncia e levanta essa discussão. Claro, a gente pensa em como essa série vai chegar para as mulheres, mas eu fico pensando também em como essa série vai chegar para os homens. É um thriller, um jogo de gato e rato, perseguição de serial killer, mas essa junção entre as duas coisas é um encontro muito feliz", completa Raphael.

Cena de Bom Dia, Verônica


Para viver a Janete, que representa muitas mulheres que, infelizmente, ainda passam por essas violências, Camila Morgado contou que se apavorou ao ver o tamanho e a impotância da personagem para essa discussão. "No começo ela acha que aquilo é normal, mas aos poucos a Janete vai percebendo o que acontece na realidade dela. Então eu tive que trazer para ela também esse processo de libertação e essa virada no jogo, porque eu não queria fazer a personagem frágil. A gente tem que abrir essa discussão, é urgente e está acontecendo agora", pontuou ela.

Confira as entrevista completas:

Tainá Müller, Camila Morgado e Eduardo Moscovis

Ilana Casoy e Raphael Montes

Veja também:

Bom Dia, Verônica: motivos para maratonar a série nacional de suspense


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus