cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Cine Ceará começa em setembro levando diversidade ao público de Fortaleza

    Festival muda de casa e faz homenagem ao cinema português
    Por Roberto Guerra
    25/08/2013
    Centro Cultural Dragão

    As capitais do Nordeste ainda sofrem com a falta de diversidade cinematográfica em suas salas de cinema, que resumem sua programação a títulos - em geral norte-americanos - de maior apelo comercial. Daí a importância de festivais de cinema como o Cine Ceará, cuja 23ª edição ocorre em Fortaleza entre os dias 7 e 14 de setembro.

    Oportunidade única para o público cearense tomar contato com filmes que não teria a chance de ver em outras circunstâncias, o Cine Ceará deste ano traz ainda série de novidades. O evento deixa o elegante Theatro José de Alencar e será realizado pela primeira vez no Centro Cultural Dragão do Mar – um alívio para os espectadores, que sofriam com as rígidas e nada confortáveis cadeiras de madeira do antigo teatro.

    O festival deixa também de ser temático e passa a homenagear a cinematografia contemporânea de um país específico. Quem inaugura o novo formato é Portugal, que ganha mostra especial de filmes produzidos nos últimos 15 anos. A atriz, cantora e diretora portuguesa Maria de Medeiros abre o evento com show e recebe o Troféu Eusélio Oliveira em homenagem à carreira.

    Para a mostra competitiva de longas-metragens, o Cine Ceará selecionou oito candidatos entre os 113 inscritos. Da amostragem, sete são inéditos. Concorrem ao Troféu Mucuripe Se Deus Vier Que Venha Armado, de Luis Dantas (Brasil); Emak Bakia, de Oskar Alegria (Espanha); Olho Nu, de Joel Pizzini (Brasil); Rincón de Darwin, de Diego Fernández Pujol (Uruguai-Portugal); El Paciente Interno, de Alejandro Solar Luna (México); La Película de Ana, de Daniel Diaz Torres (Cuba); Mercedes Sosa, la Voz de Latinoamérica, de Rodrigo H. Vila (Argentina); e Solidões, de Oswaldo Montenegro (Brasil).

    O evento cearense apresenta ainda exibições paralelas de cunho social que abrem espaço para crianças, idosos e deficientes auditivos e visuais. As mostras Terceira Idade, Acessibilidade e O Primeiro Filme a Gente nunca Esquece pretendem reunir mais de mil pessoas em exibições especiais na Caixa Cultural e no Mercado dos Pinhões.

    A cobertura diária da 23ª edição do Cine Ceará você acompanha aqui no Cineclick a partir do dia 7 de setembro.

    Para mais informações, acesse: http://www.cineceara.com/