cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Conheça a relação de Fidel Castro com o cinema

    Polêmico líder cubano faleceu neste sábado aos 90 anos
    Por Daniel Reininger
    26/11/2016

    Fidel Castro, polêmico líder cubano, faleceu neste sábado aos 90 anos. Como importante figura do século XX, ele foi representado em diversos filmes e era um apaixonado pelo cinema, o qual considerava um campo na sua "batalha política".

    Consciente do impacto social da sétima arte, três meses depois de chegar ao poder em janeiro de 1959, o líder cubano ordenou a criação do Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográficas (ICAIC). "Se não sobrevivermos culturalmente, tampouco sobreviveremos economicamente nem politicamente", disse Fidel em 1985.

    Castro ainda se encontrou com personalidades do cinema, como Francis Ford Coppola e Kevin Costner, com quem assistiu ao filme Treze Dias Que Abalaram O Mundo. Fidel era admirador de Brigitte Bardot e amigo de Gérard Depardieu e revelou a Oliver Stone, autor de dois filmes sobre ele, Comandante (2002) e Procurando Fidel (2003), que viu poucos filmes após colapso soviético em 1991, por falta de tempo, mas chegou a ver Gladiador e Titanic.

    Para relembrar sua história, lutas e polêmicas, confira alguns filmes sobre ele e sua história em Cuba:

    Fidel: A História Nunca Contada (2001)

    Dirigido por Estela Bravo, esse documentário cobre 40 anos de Revolução Cubana. O filme contém raras com filmagens de Fidel Castro em diversas situações, inclusive ao lado de Nelson Mandela.
     

    13 Dias que Abalaram o Mundo (2000)

    Esse filme de Roger Donaldson mostra como, em outubro de 1962, o mundo quase acabou em uma guerra nuclear. A União Soviética pretendia implantar armas nucleares em Cuba e o Pentágono aconselha intervenção militar contra Cuba. Entretanto, Kennedy não quer usar a força contra o país de Fidel Castro a fim de tentar evitar a Guerra Nuclear.
     

    Procurando por Fidel! (2003)

    Segundo documentário de Oliver Stone sobre o presidente de Cuba, Fidel Castro. O diretor volta a Havana para realizar uma entrevista mais agressiva, depois das prisões e execuções, em 2003, de vários dissidentes políticos na ilha.


    Che (2008)

    Dirigido por Steven Soderbergh, essa é a primeira parte sobre a trajetória do líder revolucionário argentino Ernesto Guevara (Benicio Del Toro) ao lado Fidel Castro (Demián Bichir) e seu irmão Raul ( Rodrigo Santoro) durante a revolução Cubana.

    Che

     

    Comandante (2002)

    Esse documentário apresenta uma entrevista do diretor Oliver Stone com o líder cubano revolucionário Fidel Castro sobre diversos temas. A equipe de filmagem visitou Castro em Cuba por três dias em 2002. O filme foi liberado em 2003 no Sundance Film Festival de 2003. O filme não chegou a ser exibido nos EUA e nem mesmo no canal que produziu o filme: a HBO.


    Fidel! (2002)

    Esse filme feito direto para a TV, dirigido por David Attwood, e com Gael Garcia Bernal como Che Guevara, mostra a trajetória de Fidel Castro durante a Revolução Cubana, até a chegada ao poder.


    A Cidade Perdida (2005)

    Ambientado em Havana na década de 50, o filme dirigido por Andy Garcia mostra a vida em Cuba durante a transição do opressivo governo de Batista passa para as mãos de Fidel Castro. Na trama, o dono de um clube noturno decide ir morar em Nova York para fugir do governo comunista.


    Revolucíon! A Verdade Sobre Fidel Castro (1959)

    Documentário mostra os bastidores da tomada do poder por Castro e foi dirigido pelo astro norte-americano Errol Flyn.


    Bananas (1971)

    Essa comédia de Woody Allen é uma paródia entre a relação EUA e Cuba. Fielding Mellish (Woody Allen) está abalado pelo fim do relacionamento com Nancy, sua politizada ex-namorada. Mellish parte então para a América Central, se junta às forças revolucionárias e se torna o líder político do país.
     

    Alicia en el pueblo de Maravillas (1991)

    É uma sátira política do diretor cubano Daniel Díaz Torres, lançada em 1991. O longa ficou pouco tempo em cartaz, mas foi o suficiente para causar tensão na capital da ilha governada pelos irmãos Castro.