cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Conheça mais sobre o estranho e exagerado mundo dos filmes trash

    Nos primórdios, o gênero era associado a produções de baixo orçamento; hoje, invade até longas com verba sobrando
    Por Cristina Tavelin
    15/04/2013

    Se, nos últimos tempos, você tem ouvido falar muito do gênero trash por causa da estreia de A Morte do Demônio, mas ainda não conseguiu encontrar uma definição para tal estilo, o Cineclick faz um breve resumo a seguir.

    Nos primórdios do gênero, filme trash era aquele de baixo orçamento, geralmente associado ao terror, que acabava gerando risos ao invés de assustar devido à estética fake exagerada. Com o passar do tempo, até as produções com verba sobrando passaram a apostar nessa linha.

    Não importa que sangue, machucados ou disfarces pareçam de mentira: muitas vezes a graça está exatamente nisso. E ao contrário do que muitos pensam, longas desse tipo não são sinônimos de filmes ruins.

    Acontece que o espectador pode esperar um suspense profundo, quando na verdade o foco está em coisas nojentas e exageradas. Grandes cineastas, como Peter Jackson, nasceram no estilo. O diretor de O Hobbit começou a carreira com Náusea Total, seguido de Fome Animal, dois clássicos.

    Obviamente, o terror tem tudo a ver com o gênero. Dos mais famosos, podemos citar O Ataque dos Tomates Assassinos, O Monstro do Armário, Arraste-me para o Inferno, A Volta dos Mortos-Vivos, A Centopeia Humana, A Hora do Pesadelo, Palhaço Assassino, A Bolha Assassina, entre outros tantos... No Brasil, o estilo ganhou força com Zé do Caixão e o clássico À Meia-Noite Levarei sua Alma. O recente Mangue Negro, de Rodrigo Aragão, é outro longa nacional de destaque.

    Entretanto, o trash pode visitar outros gêneros, dando um ar diferente a qualquer trama cinematográfica. David Cronenberg faz uso de nuances dentro de sua obra composta por longas como A Mosca, Videodrome e Mistérios e Paixões. Já o underground Pink Flamingos conta a trajetória da drag queen Divine e sua família na competição pelo título de "pessoas mais sórdidas do mundo". Dirigido por John Waters, virou uma voz da contracultura.

    Também temos exemplos como Machete, do cineasta Robert Rodrigues, mostrando sangue, cenas de sexo explícito e uma pitada de humor embalado por muita ação.

    Ao contrário dos filmes de zumbis, retratando o contexto da apatia social, a maioria dos filmes trash não se preocupa com esse aspecto. Então, se você tem interesse no estilo e deseja conhecê-lo melhor, não se esqueça: divirta-se, acima de tudo.