cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Se você gostou de Hotel Cecil, conheça Night Stalker, da Netflix

    Night Stalker é outra série para os apaixonados por crimes reais
    Por Redação
    17/02/2021 - Atualizado há 8 meses

    Não é de hoje que a Netflix se empenha para trazer ao público produções baseadas em casos reais de investigações criminais que chocaram a sociedade e marcaram época, como a recente série documental Cena do Crime - Mistério e Morte no Hotel Cecil, que narra a história da misteriosa morte de Elisa Lam.

    Se você curte seriados do gênero e gostou de Hotel Cecil, a nossa recomendação de hoje é Night Stalker, a minissérie que narra o contexto histórico no qual ocorreu a onda de assassinatos cometidos por Richard Ramirez.

    O formato da série

    Os diretores e roteiristas Tiller Russell (Operação Odessa) e James Carroll foram cuidadosos para que Night Stalker fosse diferente de muitas séries que abordam casos reais de assassinatos brutais, nos quais pode acontecer de o público interpretar uma glamourização à violência ou a romantização do assassino.

    Para evitar cair nisso, o enredo é focado nos dois investigadores que perseguiram os rastros aterrorizantes que Richard Ramirez deixou por onde passava em Los Angeles, nos anos 80: o novato Gil Carrilo e o veterano de guerra e condecorado Frank Salerno.

    Em formato documental, o caso é contado por meio de relatos de pessoas envolvidas nas investigações ao longo de quatro episódios, com aproximadamente 46 minutos de duração cada. Todos os capítulos são estruturados cronologicamente de acordo com a ordem em que os ataques ocorreram e conforme as pistas apontavam, o que ajuda a criar a atmosfera de dúvida e medo que Los Angeles e os dois investigadores viveram durante os cinco meses de investigação.

    Em termos estéticos, Night Stalker é obscura e mostra um lado de Los Angeles muito diferente do que os espectadores estão acostumados a ver no imaginário cinematográfico, beirando a fotografia de um filme noir, já que os crimes sempre aconteciam durante a noite.

    É preciso ter estômago e psicológico forte para assistir Night Stalker, pois são mostradas imagens reais das cenas de crime e o estado em que se encontravam os corpos das vítimas, com apenas algumas partes censuradas, além de descrições detalhadas do que os sobreviventes passaram e sobre o que os investigadores se depararam na época.

    O caso real que inspirou a série

    Em 1985, Los Angeles passava por um dos verões mais quentes já vividos na cidade até então, o que levava grande parte da população a deixar portas e janelas de suas casas abertas. O grande problema é que, um ano antes, um serial killer havia começado uma onda de assassinatos hediondos e essas aberturas facilitavam a sua entrada. Inclusive, o apelido “Night Stalker” foi atribuído ao assassino porque ele vigiava as suas vítimas durante a noite, antes de invadir as suas casas.

    Diferentemente de outros casos de assassinos em série, Richard Ramirez não seguia um padrão para agir, com exceção da extrema brutalidade com que ia para cima de suas vítimas, usando facas, armas de fogo ou o que estivesse ao seu alcance no momento, como fios de telefone ou barras de metal, o que levou muita gente a se questionar de onde Ramirez cultivou tanto ódio.

    As vítimas não tinham o mesmo gênero, classe social, etnia, idade ou qualquer características em comum. Homens ou mulheres, crianças ou idosos poderiam vir a ser um alvo de Ramirez. A vítima mais velha tinha 82 anos, enquanto a mais nova apenas seis.

    Ramirez não tinha qualquer cautela ou lógica para cometer seus crimes e parecia não ter medo de ser capturado, pois em uma ocasião chegou a parar para comer uma fruta da geladeira de uma das vítimas e foi visto saindo pela porta de frente mais de uma vez.

    Um dos únicos padrões que foi identificado nos crimes do psicopata era a sua relação com o satanismo. Ramirez deixava símbolos satânicos nas cenas de crime e chegou a obrigar algumas pessoas a prestar juramentos a Satã.

    Os sobreviventes afirmam lembrar-se de cada pormenor, principalmente das características marcantes do Night Stalker: um cheiro intensamente repugnante e sua boca com dentes podres, e outros diversos faltando.

    Night Stalker | Trailer

    Os investigadores responsáveis

    A participação de Gil Carrillo e Frank Salerno na produção só aconteceu porque ambos tinham certeza de que o foco da série não seria o assassino, mas sim as vítimas e as suas próprias famílias, que tiveram as vidas gravemente impactadas por causa deste psicopata. Afinal, como Ramirez não tinha um padrão para agir, literalmente qualquer pessoa poderia vir a se tornar uma de suas vítimas.

    A perspectiva dos dois detetives responsáveis pelo caso do Night Stalker, como ficou conhecido o assassino na época, é o fio condutor da horripilante narrativa.

    O mito do psicopata incompreendido

    O objetivo de Tiller Russell, o criador da série, era desmistificar a ideia romântica que se criou à volta de Richard Ramirez — algo que acontece com uma certa frequência em casos do gênero, como foi com Charles Manson —, que se tornou tão famoso que acabou até mesmo conquistando fãs. Para que você tenha uma ideia, durante os anos em que esteve na prisão, Ramirez chegou a receber inúmeras cartas de amor e pedidos de casamento de mulheres.

    Os crimes cometidos

    O Night Stalker foi acusado pelo assassinato de 13 pessoas — com requintes de crueldade (tortura, mutilação e estupro) —, além de 11 agressões sexuais, 14 assaltos e 5 tentativas de homicídio.

    Lembrando que estes foram os crimes pelos quais Ramirez foi julgado porque houveram provas de sua autoria. Estima-se que muito mais crimes bárbaros que aconteceram nos entornos dos bairros periféricos de Los Angeles foram cometidos pelo serial killer.

    A captura, o julgamento e a sentença de morte

    Enquanto tentava roubar um carro, Ramirez foi capturado e espancado por populares, em Los Angeles. Foi assim que ele foi detido, aos 25 anos de idade, em agosto de 1985, sendo sentenciado à morte com base em dezenas de acusações. 

    Seu comportamento deixava claro que ele não estava tentando se safar dos crimes pelos quais foi acusado. Na verdade, Ramirez parecia se orgulhar das atrocidades que cometeu, não mostrando qualquer sinal de arrependimento. Ele levantou a mão para mostrar um desenho de um pentagrama e gritou “Hail Satan” (Salve, Satã) logo em sua primeira aparição em um tribunal de julgamento.

    Ele foi sentenciado à morte após quatro anos de julgamento, em 1989. Dezessete anos depois, a Suprema Corte da Califórnia manteve sua condenação, em 2006. No ano seguinte, 2007, a revisão de sua sentença foi negada pela Suprema Corte Federal.

    Em 2009, uma nova acusação foi associada a Ramirez devido a um teste de DNA. Desta vez, Mei Leung, uma menina de apenas 9 anos, que foi estuprada e cruelmente assassinada no dia 10 de abril de 1984.

    Embora aguardasse por sua execução há algumas décadas — porque o “corredor da morte” foi cessado no estado da CalifórniaRichard Ramirez morreu na prisão, em 2013, aos 53 anos de idade, devido a um câncer.

    A idealização da série

    O projeto começou quando Tiller Russell, idealizador de Night Stalker e que foi repórter em Los Angeles há muitos anos, conheceu o detetive Gil Carrillo em um tradicional restaurante da cidade. Russell achou que seria interessante contar a história por uma perspectiva diferente da que os jornais relataram na época, já que Carrillo se lembrava dos mínimos detalhes do caso.

    Russell disse ao The Guardian que o assassino agiu de forma brutal e deixou uma marca profunda na cidade de Los Angeles e principalmente nas vidas das famílias das vítimas e dos sobreviventes. Por isso, não deveria ser retratado como o “Jim Morrison dos serial killers”, mas sim como o verdadeiro monstro que foi.

    O criador da série disse, ainda, que o projeto tem mais a ver com a “resiliência das pessoas” que não se deixaram ser definidas pelo Night Stalker, do que em glamourizar as obras de uma maníaco desprovido de qualquer traço de humanidade.

    E é sobre isso que se trata Night Stalker, de Tiller Russell: honrar a todas as pessoas que foram vítimas diretas e indiretas de Richard Ramirez, mostrando que, diferente de como o assassino gostava de afirmar, o homem não é essencialmente mau, e de uma forma ou de outra, a justiça prevaleceu.

    Você já assistiu Night Stalker da Netflix? Quais impressões teve sobre a série? Acredita que o diretor conseguiu apresentar a brutal história da onda de assassinatos de Richard Ramirez por um prisma diferente? Compartilhe a sua opinião com a gente em nossas redes sociais!