Convenção das Bruxas: Comparamos o remake com o clássico

Descubra as diferenças entre o novo filme e o original

19/11/2020 13h45

Por Daniel Reininger

Convenção Das Bruxas é a segunda adaptação para o cinema do amado livro infantil de Roald Dahl, publicado em 1983. A versão cinematográfica original estreou em 1990, com Anjelica Huston no papel de Grande Bruxa-Mor. No remake, Anne Hathaway assume o papel.

Sem grandes alterações na essência do enredo, a história acompanha um garotinho que se depara com um clã secreto de bruxas e, com a ajuda de sua avó amorosa, embarca em uma grande aventura para impedir as vilãs de transformarem as crianças do mundo em ratos. O filme traz um elenco repleto de estrelas, que inclui: Chris Rock, Octavia Spencer e Stanley Tucci.

Como a versão de 1990, a adaptação recente tomou muitas liberdades com a história de Dahl. Algumas partes foram transportadas diretamente do livro para a tela, mas outras foram adições completamente novas. Com isso, o longa original e o novo também possuem muitas diferenças. Confira algumas delas:

Da Europa dos anos 80 para o Alabama dos 60

O narrador enfatiza no livro a importância da Noruega na história, enquanto o filme de passa no Hotel inglês The Exelsior. Além disso, o filme original não cita datas, mas deve se passar entre 1983 e 1990.

Convenção das Bruxas comparação

No novo filme, a trama começa em Chicago, EUA, e boa parte da história acontece no estado norte-americano do Alabama, nos anos 1960. E a única menção ao norte da Europa é quando a origem da Grande Bruxa-Mor é comentada.

Motivo para a ida ao hotel é outro

No filme original, a avó está com diabetes e ela sugere que passar uns dias num hotel afastado pode ajudá-la a se sentir melhor e descansar.

Já o novo filme faz um trabalho melhor, afinal o motivo para a personagem vivida por Octavia Spencer ir para o hotel é mais direto: se esconderem das bruxas que estão atrás de seu neto.

Daisy não existe no original

No filme de 2020, o garotinho sem nome (Jahzir Kadeem Bruno) tem uma ratinha branca chamada Daisy, dublada por Kristin Chenoweth. Mais tarde, descobrimos que Daisy costumava ser uma garotinha chamada Mary, que também foi vítima das bruxas.

Dois ratos tentam ajudar um terceiro rato a passar por uma grade

No livro e no filme original, Daisy não existe. O menino tem dois ratos brancos que treinava quando se depara com as bruxas. Eles não têm origem humana. O menino chama seus ratos brancos de William e Mary, então o nome verdadeiro de Daisy é um easter egg.

Poderes e visual da Grande Bruxa-Mor

No filme original, até pelas limitações técnicas, a Grande Bruxa-Mor não possuía muitos poderes visíveis. Já no novo filme, a personagem vivida por Anne Hathaway possui super-força, invocação de raios, capacidade de esticar seus braços e a habilidade de flutuar.

Convenção das Bruxas comparação

Além disso, visualmente a Grande Bruxa-Mor do filme original é bem mais medonha quando revela sua aparência real. Ela também é bem diferente das outras bruxas, enquanto no novo filme ela não difere tanto do resto do grupo e sua aparência é mais humana.

Menos flerte

O filme de 1990 trazia muitas cenas de insinuação sexual. O gerente do hotel fica atrás constantemente de uma responsável pela limpeza do local. Além disso, a trama coloca o pai de Bruno, uma das crianças transformadas em rato, como um homem encantado pela Grande Bruxa-Mor, que faz constantemente avanços sobre ela. Nada disso acontece no novo filme.

Final

Não vamos entrar em detalhes, mas muitos elementos do final do filme são novos, inclusive uma cena completamente criada para o novo filme e mais informações sobre o desfecho dos protagonistas. Você vai ter que ir ao cinema para descobrir como tudo mudou, porque não queremos dar spoilers e estragar a surpresa.

Confira o trailer oficial:


Veja também:

Leve e divertido, Convenção das Bruxas usa fantasia e agrada toda familia

Os remakes de terror que mais queremos ver nos cinemas

Os anos 80 estão de volta! Confira remakes, reboots e homenagens

Ranking: Dez filmes dirigidos por Guillermo Del Toro

Opinião: Trazer uma Ariel negra é acerto imenso da Disney


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus