cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    3 detalhes que modernizaram o novo 'Amor, Sublime Amor’

    Remake do clássico musical é dirigido por Steven Spielberg e já está em cartaz nos cinemas
    Por Thamires Viana
    12/12/2021 - Atualizado há 6 meses

    Amor, Sublime Amor, novo longa dirigido por Steven Spielberg que adapta o clássico musical da Broadway, já está em cartaz nos cinemas. Estrelado por Ansel Elgort e Rachel Zegler, o filme conta a história de amor do casal Tony e Maria em meio a uma Nova York dos anos 50 dominada pela rivalidade de gangues.

    Chegando às telonas 60 anos após o lançamento do filme de 1961, Amor, Sublime Amor trouxe grande fidelidade à história original de Arthur Laurents, mas conseguiu atualizar e modernizar inserindo alguns detalhes para o atual lançamento. 

    Confira abaixo três deles e cuidado com possíveis spoilers!

    Transexualidade

    O ator Iris MenasReprodução

    Anybodys, importante personagem da história de Amor, Sublime Amor, foi interpretada no longa de 1961 pela atriz Susan Oakes. Levemente baseada em Balthasar, de Romeu e Julieta, a garota sonha em entrar para a gangue Jets, mas é impedida pelo fato de ser mulher. Embora tenha um jeito "moleca", a sexualidade ou a identidade de gênero de Anybodys não são discutidas na trama e em nenhuma outra representação da história do musical.

    Agora, a versão dirigida por Steven Spielberg estabelece o personagem como um transgênero. Isso fica evidente em alguns diálogos do longa e também pela escalação de Iris Menas, jovem ator trans que vive o papel. Nos materiais de divulgação e também em entrevistas do elenco, Anybodys é mencionado com os pronomes ele/dele. 

    O detalhe mostra como o novo longa, apesar de fiel à história original, conseguiu inserir uma singela abordagem sobre o tema que não só trouxe visibilidade e inclusão, mas também modernizou a trama com bastante coerência. 

    Sororidade

    Cena de Amor, Sublime Amor (2021)Reprodução

    Uma das cenas mais fortes de Amor, Sublime Amor é o ataque dos Jets contra Anita, personagem interpretada por Rita Moreno em 1961 e por Ariana DeBose agora em 2021. Na sequência, a jovem entra no estabelecimento do Doc e acaba coagida pelos membros da gangue que tentam estuprá-la. Na versão dos anos 60, Anita é salva por Doc (Ned Glass) que chega e espanta o grupo enquanto as namoradas dos rapazes apenas assistem ao ocorrido.

    Agora em 2021, o roteiro de Tony Kushner inseriu um detalhe crucial que deixou a cena ainda mais impactante. Quando a personagem interpretada por DeBose chega ao local e é atacada, Velma (Maddie Ziegler), uma jovem americana que anda com os Jets, parte para cima dos rapazes e implora para que eles não machuquem a porto-riquenha. Aqui, a sororidade feminina ultrapassou a rivalidade entre elas — americanos X latinos — e a cena ganhou um significado ainda maior. 

    Vale lembrar também que Valentina, a personagem de Rita Moreno nessa versão, tem um importante papel na cena em questão. No entanto, a atriz comentou em entrevista à EW que a sequência foi uma das mais difíceis de fazer na carreira por uma terrível experiência vivida no passado. Moreno revelou que era estuprada por seu agente em Hollywood quando era adolescente e isso gerou um trauma para ela. 

    Amor "moderno"

    Cena de Amor, Sublime AmorReprodução

    Em uma época em que os relacionamentos estão cada vez mais líquidos, a história de amor entre Tony e Maria parece algo totalmente surreal vista com os olhos dessa geração. Eles mal se conhecem e já se apaixonam perdidamente, planejam uma fuga juntos e sonham em viver esse grande e intenso sentimento? Como assim? Na história original que foi adaptada livremente de Romeu e Julieta de William Shakespeare, esse amor, claro, faz muito sentido.

    Porém, na versão do filme lançada agora em 2021, Kushner decidiu trazer um detalhe que fez toda a diferença no roteiro e nessa reapresentação da história para um novo público. Perdidamente apaixonado, Tony (Ansel Elgort) não consegue parar de falar de Maria (Rachel Zegler) para Valentina (Rita Moreno), sua grande conselheira. Ele menciona sobre o quanto precisa fugir com a jovem e se casar com ela já que a ama intensamente. O divertido é que Valentina, uma idosa, questiona o rapaz com a frase "Por que você não a convida para um café antes?", dando a entender que eles precisam se conhecer melhor. 

    Isso não altera em nada o desenrolar da trama, mas é interessante ver como uma única frase inserida no roteiro trouxe uma pontinha de modernidade à história e deu ao jovem casal um pouquinho mais de "pé no chão". 

    Veja também: