cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Diretor e elenco falam sobre Podecrer!

    Por Da Redação
    26/10/2007

    Após sucessos como Cidade de Deus e Tropa de Elite, que denunciam a violência no país, chega às telas brasileiras Podecrer!, de Arthur Fontes, com temática mais leve e voltado ao público jovem. Em coletiva nesta quinta-feira (25/10), o diretor e o elenco, representado por Dudu Azevedo (Ôdique), Silvio Guindane (Orfeu), Julia Gorman (Amor de Bala), Marcelo Adnet e Erika Mader (ambos de O Amor Maior do Mundo), falaram sobre a nova produção.

    O longa é ambientado em 1981, período marcado pelo auge do rock no Brasil e por debates políticos sobre os rumos do país. Apesar disso, Fontes diz que o filme não é moralista."O filme é leve e retrata a realidade sem ser politicamente correto", define ele.

    Durante o último ano de escola, nove jovens enfrentam a dura fase pré-vestibular, na qual surgem as responsabilidades e a decisão de uma profissão. Falando sobre sua vida pessoal, o ator Dudu Azevedo conta que não foi um aluno exemplar. Expulso de duas escolas, cursou apenas três semestres da faculdade de Direito. Hoje, atua no cinema e na televisão e toca bateria na banda Red Trip, mas demorou para decidir o que gostaria de fazer. "É um período que não se sabe nem quem é, quanto mais o que se quer fazer da vida", afirma.

    Permeando essas cobranças, Podecrer! relembra um Rio de Janeiro menos violento e memórias da época de colégio, como aulas cabuladas, beijos escondidos e amizades marcantes. Com essa fórmula simples, o filme deve agradar. Isto porque, para Julia Gorman, os sonhos dos jovens e os problemas que eles enfrentam ainda são os mesmos.

    Tema sempre polêmico, a questão do aborto dá o clima tenso ao filme. "Precisávamos de um assunto que tivesse impacto, que assustasse o telespectador. Gravidez na adolescência sempre foi um assunto preocupante", explica Fontes.

    Numa época na qual tudo era sexo, drogas e rock, o uso da maconha não podia deixar de ser personagem coadjuvante. "Mas não é apologia, era a realidade da época. Não adiantava filmar como se a droga não existisse no dia-a-dia dos jovens", diz Silvio Guindade.

    Se maconha é coadjuvante, amizade é protagonista. No filme, ela rouba a cena. Não há o herói e o bandido, o certo e o errado. São todos integrantes de um grande grupo. "Não há mais bonzinhos e maus, cada um tem uma história para contar", afirma Erika Mader, sobrinha da veterana atriz Malu Mader. O clima entre o elenco era tão bom, que durante as filmagens, eles se tornaram amigos. "Nunca foi tão bom ir à escola. Colocar o uniforme e saber que encontraria todos no set me deixava muito feliz", encerra Dudu Azevedo.

    PodeCrer!, da Conspiração Filmes, estréia nos cinemas em 2 de novembro.

    Veja algumas cenas do filme: