Especial Mulheres na Direção: conheça a carreira de Anna Muylaert

Diretora, roteirista e produtora paulistana é uma das mais renomadas do cinema nacional

02/10/2020 18h40

Por Thamires Viana

Você certamente se emocionou ao assistir Que Horas Ela Volta? e Mãe Só Há Uma, filmes que marcaram o cinema brasileiro por trazer às telas a quebra de esteriótipos e assuntos que abrem discussões importantes entre o público. Outra coisa que eles têm em comum é a direção de Anna Muylaert, uma das diretoras, roteiristas e produtoras mais renomadas do nosso país.

Aqui no Cineclick, o mês de outubro será dedicado às diretoras que exercem trabalhos memoráveis nos cinemas. Para dar início ao especial, conheça mais sobre a carreira da paulistana.

Perfil: Anna Muylaert

Ana Luiza Machado da Silva Muylaert nasceu em São Paulo, em 1964, e se formou em Cinema na ECA (Escola de Comunicações e Artes), da USP. Na década de 1980, ela deu início à carreira com a produção de curtas-metragens, incluindo Rock Paulista em 1988, além de assinar diversas críticas de cinema em jornais como O Estado de S.Paulo. Nos anos seguintes, Anna entrou para o grupo de roteiros e coordenação de programas infantis como Mundo da Lua e Castelo Rá-Tim-Bom, ambos sucessos da TV Cultura. 

Ainda na década de 90, vieram outras curtas: As Rosas não Calam, de 1992, e A Origem dos Bebês Segundo Kiki Cavalcanti, de 1996, que se tornou vencedor de XIII Rio Cine Festival e no 5º Mix Brasil como melhor curta-metragem.

Foi em 2002 que Anna dirigiu Durval Discos, seu primeiro longa-metragem, e a estreia foi com o pé direito. O filme estrelado por Ari França foi vencedor de sete Kikitos de Ouro no Festival de Gramado de 2002, nas categorias de Melhor Filme, Prêmio do Júri Popular, Prêmio da Crítica, Melhor Direção, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia e Melhor Direção de Arte.  

Trabalhos que dizem muito

Em sua filmografia, a diretora costuma trazer assuntos rotineiros da vida dos brasileiros, além de temas pertinentes e que ampliam discussões importantes sobre desigualdade social e maternidade, por exemplo. Em Que Horas Ela Volta?, filme estrelado por Regina Casé e um dos grandes sucessos da carreira de Muylaert, ela aborda de forma intimista e quase poética a vida de uma empregada doméstica e de seus patrões. Enquanto a trama percorre entre as diferenças entre eles, a chegada da filha da empregada escancara as rupturas entre essas duas famílias.

Em Mãe Só Há Uma, longa lançado em 2016, acompanhamos o drama na vida de um adolescente que descobre ter sido roubado na maternidade e é obrigado a mudar completamente sua vida. O filme aborda temas como identidade, preconceito e tolerância tornando-se um verdadeiro estudo psicológico sobre o verdadeiro significado de família.

O realismo nos roteiros e direção de Anna aparece ainda em seu primeiro longa-metragem, Durval Discos, no qual acompanhamos mudanças e conflitos na vida de um vendedor de discos e de sua mãe, e em Chamada a Cobrar, um thriller psicológico que traz uma crítica social potente sobre a violência urbana.

Filmografia

Conheça mais sobre os filmes de Anna Muylaert:

Durval Discos (2002)

Durval (Ary França) é um roqueiro dono de uma loja de discos de vinil em Pinheiros, na região oeste de São Paulo. Apesar de já ter chegado aos 40, continua morando com a mãe (Etty Fraser), em uma casa conjugada à loja. Sem se render aos CD's, o proprietário acaba restringindo seu público a poucos - e estranhos - clientes, que quase sempre não levam nada. Cansada dos serviços domésticos, Dona Carmita (Fraser) resolve contratar Célia (Letícia Sabatella), que vai com sua filhinha Kiki (Isabela Guasco) morar com os dois. Tudo vai bem até o dia em que Célia desaparece e deixa apenas um bilhete pedindo para que Durval e a mãe cuidem da pequena Kiki. A partir disso, a vida deles muda radicalmente.

É Proibido Fumar (2009)

Baby (Gloria Pires) é uma professora de violão, romântica e solitária, que deseja ardentemente viver uma grande paixão. Com a mudança de Max (Paulo Miklos), um músico de bar recém-separado, para o apartamento contíguo ao seu, Baby tem a chance de realizar seu sonho. Para conquistar o amor, ela faz um grande sacrifício e abandona seu antigo companheiro, o cigarro. Quando o amor parece finalmente ter acontecido em sua vida, Baby descobre que está sendo traída. Em meio a decepção e uma forte crise de abstinência de nicotina, ela entra em um espiral de ciúmes que a levará a conhecer os lados mais sombrios de seu coração.

Chamada a Cobrar (2012)

Clarinha (Bete Dorgam) é uma senhora rica que desfruta de uma vida confortável rm São Paulo. A paz e tranquilidade da mulher acaba quando ela atende um telefonema de um suposto sequestrador que teria raptado sua filha. A ligação, feita a cobrar, dura mais de 12 horas e faz com que a senhora vá até o Rio de Janeiro. Entretanto, Clarinha nem suspeita que pode estar sendo vítima do golpe do falso sequestro.

Que Horas Ela Volta? (2015)

Val (Regina Casé) se mudou para São Paulo para poder trabalhar e dar melhores condições para sua filha Jéssica (Camila Márdila), que ficou em Pernambuco. Anos mais tarde, Jéssica liga para sua mãe pedindo para ir até São Paulo já que pretende prestar o vestibular. Os chefes de Val recebem sua filha de braços abertos, mas o comportamento da garota complica a situação.

Mãe Só Há Uma (2016)

A vida do adolescente Pierre muda completamente quando é obrigado a fazer um teste de DNA. Após o resultado, ele descobre que sua mãe o roubou na maternidade e é obrigado a trocar de família, de nome, de casa, de escola... O filme retrata o drama do rapaz que precisa encontrar seu lugar no mundo, mesmo quando seu mundo inteiro acaba e um novo se apresenta diante de seus olhos.

Veja também:

Relembre a nossa entrevista: "Não penso em Oscar, penso em fazer bons filmes", diz Anna Muylaert

Tudo sobre cinema nacional


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus