Evangelion, da Netflix, diz muito sobre depressão e angústia

Série clássica de anime está disponível na Netflix

01/07/2019 16h45

Por Daniel Reininger

Neon Genesis Evangelion é um dos casos de obras da cultura pop que se tornam ícones e continuam relevantes através das gerações. O anime dirigido por Hideaki Anno e exibido originalmente em 1995 entrou na Netflix para alegria daqueles que queriam conhecer ou rever esse clássico, mas enfrentavam dificuldades para encontrá-lo. A série é uma das melhores já feitas e quem gosta de entretenimento precisa, ao menos, dar uma chance para essa produção incrível.

Lançado no Japão como mangá em 1994, Neon Genesis Evangelion chegou à TV no ano seguinte. A trama pós-apocalíptica acompanha o ataque dos Anjos contra a humanidade, mais especificamente contra a cidade de Tokyo 3. Para combatê-los, a organização paramilitar NERV recruta jovens pilotos capazes de sincronizar suas mentes com seres gigantes criados a partir de Adão. Nesse cenário, Shinji Ikari, protagonista da série, precisa lidar com traumas para ser capaz de salvar a humanidade.

Evangelion

A história é complexa e está repleta de simbologia. A trama surgiu em um período pessimista para o Japão e o criador da obra, Hideaki Anno, também passava por um período pessoal turbulento, sofria com ansiedade, obsessões e depressão. Ele transformou seus dilemas em arte.

Sim, a série está repleta de batalhas com robôs gigantes, mas Evangelion ganha notoriedade por discutir a condição humana em meio ao desespero. É uma história sobre angústia e sofrimento, responsabilidades e conexão com outras pessoas.

Os conflitos desses personagens são universais e, mesmo 24 anos após sua criação, o anime continua atual, surpreendente e impactante. É uma trama rica, com um mundo bem desenvolvido e uma evolução incrível de personagens.

Cuidado, Spoilers adiante

O que no começo parece apenas uma série de combate de Mechas contra monstros se torna algo completamente inesperado. Os personagens ficam complexos e o lado psicológico se torna mais importante. Shinji perdeu a mãe e foi abandonado pelo pai, com isso se tornou inseguro e infeliz. Ele enfrenta dilemas como sexualidade, medo do futuro e responsabilidades diante de suas vontades. O interessante é que ele não quer ser um piloto, por causa do seu sentimento de inferioridade e abandono, luta apenas em busca de aceitação e reconhecimento.

Asuka Langley, piloto do Eva 02, também possui um grande trauma de infância e foca apenas em se tornar a melhor. Perfeccionista e agressiva, Asuka ignora seus traumas, coloca os outros para baixo e não admite erros. A garota começa radiante e aos poucos entra em depressão, conforme as coisas dão errado.

Evangelion

Já a piloto do Eva 0, Rei Ayanami, simboliza o sentimento de vazio. Ela apenas sobrevive e cumpre seu dever. Sempre. Sua jornada é extemamente melancólica. É óbvio que os personagens são reflexos de nossos medos. Sentimentos que nos fazem humanos.

Já os EVAs, seres gigantes criados para salvar a humanidade e protetores diante da nossa fragilidade humana, são também símbolo da nossa prepotência ao tentarmos recriar algo divino e perfeito. No fim, são também uma ferramenta para a evolução, algo capaz de acabar exatamente com o que nos torna humanos.

Neon Genesis Evangelion é uma obra magnifica com potencial para impactar novos públicos com seus questionamentos filosóficos. Sem falar que as lutas são incríveis e o visual é de tirar o fôlego. 

Entenda o fim de Evangelion

Tome cuidado, porém, com os episódios finais, totalmente experimentais e capazes de irritar. A falta de orçamento não ajudou na época, então o fim é extremamente subjetivo. Fica a dica: é importante ver o filme The End of Evangelion (também disponível na Netflix) para concluir a trama e explicar melhor alguns acontecimentos. Mas não espere respostas para todas as questões não.

Evangelion

Nos capítulos 25 e 26 vemos o resultado da Instrumentalização da raça humana, após o Terceiro Impacto causado por uma organização secreta chamada Seele, que une todas as almas em uma sopa primordial a fim de salvar e evoluir a raça humana. Toda a loucura dos episódios finais mostra os conflitos internos de Shinji nesse processo e também a decisão do rapaz sobre manter ou não sua individualidade

No fim, apesar do fim da raça humana, o tom é de otimismo quando o protagonista decide que quer viver, apesar de todas as dores da existência.

Neon Genesis Evangelion está disponível na Netflix.

Confira o trailer:


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus