cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Evil Dead: Assistimos ao remake e a diversão é garantida

    Renovado, novo filme respeita o original mas diverte com mérito próprio.
    Por Felipe Minozzi
    11/03/2013

    Braços no chão, pernas decepadas, rostos mutilados, mãos necrosadas, facas, seringas e motosserras... O novo Evil Dead, em português A Morte do Demônio, pode ser resumido em uma palavra: aflição.

    Fãs do filme original podem respirar tranquilos. O clima do remake é exatamente o mesmo; a única diferença é a qualidade dos efeitos e maquiagens, impecáveis nesta nova versão. Sam Raimi (Homem-Aranha), dessa vez como produtor, não deixou que o recomeço da franquia perdesse o rumo. Está tudo lá, renovado e divertido como antes, mas agora sob a direção de Fede Alvarez.

    A trama, mais detalhada do que a original (o que não era difícil), pouco importa. As perguntas que regem o longa são: como será a próxima morte? Qual será o próximo pedaço de corpo a ser decepado? O quanto dói ter uma seringa enfincada no olho?

    Apesar da premissa ser praticamente a mesma – um grupo de cinco amigos vai para uma cabana no meio da floresta – uma das decisões mais importantes da produção foi não manter a ordem, nem a estética, dos acontecimentos. Com novas armas e mortes, você não sabe quem será o próximo a ter um membro arrancado e isso mantém o interesse até final. Aliás, a cena derradeira é digna de um pôster. Eu quero o meu!

    Neste caso, o mais importante é saber qual o tipo de filme que você está indo assistir. Se você entrar na sala esperando algo como O Exorcismo de Emily Rose ou O Sexto Sentido, sairá do cinema enraivecido. A Morte do Demônio definitivamente não tem uma história elaborada, o ponto forte do longa é a diversão. A produção não se leva a sério e este foi o caminho para o ótimo resultado final.

    É legal “caçar” as homenagens ao original: o carro de Ash está lá, no comecinho do filme, abandonado. As cenas do demônio “correndo” por entre as árvores também. O porão, apesar de mal explorado, ainda é fundamental. O livro serve como um “guia de possessões” e explica, em tempo real, tudo o que está acontecendo.

    A conclusão de tudo isso é simples: apesar de estarem fazendo algo novo, os produtores acenam a todo momento para os fãs do original. Ou seja, se você gosta de sentir aflição e dar risadas ao mesmo tempo, A Morte do Demônio é o seu filme. Pode pegar o ingresso e ir ao cinema sem medo, pois a diversão e o sangue estão garantidos.