cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Festival do Rio: Fala comigo, de Felipe Sholl, é o grande vencedor

    Cerimônia foi realizada na noite deste domingo
    Por Daniel Reininger
    16/10/2016

    Fala Comigo, filme do estreante em longas Felipe Sholl, foi o grande vencedor da 18ª edição do Festival do Rio. A cerimônia foi realizada na noite deste domingo, no BNDES, no Centro. O filme levou os troféus Redentor de Melhor filme de ficção e de Melhor atriz, para Karine Teles.

    O longa é uma mistura de drama e comédia romântica e acompanha um adolescente de 17 anos (Tom Karabachian) que adora ligar para as pacientes da mãe (Denise Fraga), uma psicóloga, e se masturbar enquanto escuta a voz do outro lado.

    "É o primeiro longa de ficção de muita gente na equipe. Vivemos um momento difícil para o Brasil e espero que o filme faça a pequena parte dele para tornar o país menos conservador ", declarou o cineasta ao receber o troféu Redentor, neste domingo.

    O discurso da vencedora como melhor atriz ainda teve tom político. "Falar 'primeiramente, fora, Temer' não é apenas uma questão política. É falar de uma vontade de que o país não retroceda. Fora o retrocesso, o conservadorismo, o ódio. Estamos falando de arte, da vontade das pessoas viverem suas verdades. Esse filme fala de amor", disse Karine Teles.

    Nas outras categorias, destaque para A Luta do Século, de Sérgio Machado, considerado o melhor documentário, confirmando o seu favoritismo. Outro grande vencedor foi o filme Mulher do pai, que levou três troféus pra casa.

    Por usa vez, o júri popular elegeu Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé, como o melhor longa de ficção, e Divinas divas, de Leandra Leal, o melhor documentário.

    Esse ano, o Festival do Rio deste ano recebeu cerca de 200 mil espectadores, segundo a organização.

    Confira os Vencedores do Festival do Rio 2016:

    Première Brasil:

    Melhor longa-metragem de ficção

    Fala comigo, de Felipe Sholl


    Melhor longa-metragem de documentário

    A luta do século, de Sérgio Machado


    Melhor curta-metragem

    O estacionamento, de William Biagioli


    Menção Honrosa curta-metragem

    Demônia, um melodrama em 3 atos, de Fernanda Chicollet e Cainan Baladez


    Melhor direção de ficção

    Cristiane Oliveira por Mulher do pai

     

    Melhor direção de doc

    Sérgio Oliveira por Super Orquestra Arcoverdense de Ritmos Americanos

     

    Menção Honrosa direção de documentário

    Marcos Prado, por Curumim

     

    Melhor atriz

    Karine Teles por Fala comigo

     

    Melhor ator

    Nelson Xavier, por Comeback e Julio Andrade por Redemoinho e Sob Pressão

     

    Melhor atriz coadjuvante

    Verónica Perrotta por Mulher do pai

     

    Melhor ator coadjuvante

    Stepan Nercessian por Sob pressão

     

    Melhor fotografia

    Fernando Lockett por Super Orquestra Arcoverdense de Ritmos Americanos e Heloisa Passos por Mulher do pai

     

    Melhor montagem

    Marcio Hashimoto por Era o Hotel Cambridge

     

    Melhor roteiro

    Martha Nowill e Charly Braun por Vermelho russo

     

    Prêmio especial do júri

    Redemoinho, de José Luiz Villamarim

     

    Novos Rumos:

    Melhor filme

    Então morri, de Bia Lessa e Dany Roland

     

    Melhor curta

    Não me prometa nada, de Eva Randolph

     

    Prêmio especial do júri

    Deixa na régua, de Emílio Domingos

     

    Menção Honrosa

    Layla Kayã Sah pela atuação (Janaína Overdrive, de Mozart Freire)

     

    Voto popular:

    Melhor longa ficção

    Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé

     

    Melhor longa documentário

    Divinas divas, de Leandra Leal

     

    Melhor curta

    Demônia, um melodrama em 3 atos, de Fernanda Chicollet e Cainan Baladez

     

    Prêmio da crítica FIPRESCI:

    Viejo Calavera, de Kiro Russo

    Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé

     

    Prêmio Felix:

    Melhor longa ficção

    Rara (Estranha), de Pepa San Martin

     

    Melhor longa de doc

    Divinas divas, de Leandra Leal

     

    Prêmio Especial do Júri

    Love snaps, de Daniel Ribeiro e Rafael Lessa

     

    Prêmio Suzy Capó Personalidade Felix de 2016

    Lea T

     

    Mostra Geração:

    Vencedor do júri popular

    Bruxarias brujerías, de Virginia Curiá - Animação/ Espanha / Brasil