Filmes sobre caso Richthofen têm estreia adiada

Comunicado à imprensa foi divulgado na tarde desta quinta-feira (12)

12/03/2020 15h08

Por Thamires Viana

A Menina Que Matou Os Pais e O Menino Que Matou Meus Pais, filmes baseados no caso Richthofen, foram adiados devido à pandemia de coronavírus no país. A Galeria Distribuidora e a Santa Rita Filmes emitiram um comunicado à imprensa na tarde desta quinta-feira (12). Ainda não há informações sobre nova data.

Leia o comunicado:

"A saúde e o bem-estar do público são prioritários para a Galeria Distribuidora e a Santa Rita Filmes. Por esta razão, o lançamento dos filmes A MENINA QUE MATOU OS PAIS e O MENINO QUE MATOU MEUS PAIS, sobre o caso Von Richthofen, será adiado pela pandemia de Coronavírus (Covid-19), decretada pela Organização Mundial da Saúde. As empresas estão acompanhando o cenário e, até o momento, mantêm a estreia dos longas em 2020, ainda sem data definida. A Galeria Distribuidora e a Santa Rita Filmes lamentam por qualquer desconforto."

O assassinato de Manfred e Marísia ocorreu em 2002 e será retratado nos dois longas focados, respectivamente, na visão dos réus das imagens. Com direção de Mauricio Eça (Carrossel, O Filme) e roteiro assinado por Ilana Casoy e Raphael Montes, a produção contou com uma pesquisa que durou mais de seis meses e analisou todos os arquivos públicos do julgamento, desde o assassinato até a condenação.

Suzane, a filha do casal morto, será interpretada por Carla Diaz (A Força do Querer) e Cravinhos, o namorado dela na época, por Leonardo Bittencourt (Segunda Chamada). O elenco também conta com Leonardo Medeiros (O Mecanismo) e Vera Zimmermann (Os Dez Mandamentos: O Filme).

Até o momento, não há data de estreia prevista para os filmes.


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus