cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    George Clooney traz esperança ao apocalipse em O Céu da Meia-Noite

    O longa chega à Netflix no dia 23 de dezembro
    Por Alexandre Dias
    09/12/2020 - Atualizado há 10 meses

    George Clooney já se aventurou na ficção científica quando estrelou Gravidade e Solaris. Ele também já ocupou o cargo de diretor em Suburbicon - Bem-vindos Ao Paraíso e Caçadores De Obras-Primas. Porém, é em O Céu Da Meia-Noite, estreia do dia 23 de dezembro da Netflix, ele comanda pela primeira vez um sci-fi

     

    Baseado no livro Good Morning, Midnight, de Lily Brooks-Dalton, o longa narra a trajetória de Augustine, um cientista solitário no Ártico que não quis sair da Terra após uma catástrofe global. Porém, ele inicia uma corrida para se comunicar com a astronauta Sully e a sua equipe, prestes a retornarem de uma missão espacial, para avisar do colapso no nosso planeta.

     

    Augustine é vivido pelo próprio Clooney, enquanto Sully é encarnada por Felicity Jones. O elenco estelar ainda conta com Kyle Chandler, Tiffany Boone, David Oyelowo e Demián Bichir.

     

    Com a promessa de entrar para a corrida do Oscar 2021, O Céu Da Meia-Noite é a pedida certa para você se divertir, se emocionar e refletir sobre diversas questões. Confira motivos para não perder o filme:

     

    George Clooney

     

    O fato de Clooney ser um astro consagrado aumenta a expectativa em um projeto como esse? Sem dúvidas, mas não à toa. O ator desenvolve à perfeição os sentimentos de Augustine. Ele é um homem solitário, que dedicou a vida a pesquisar outros planetas habitáveis para a humanidade, mas se esqueceu dele mesmo. 

    Em coletiva de imprensa, Clooney explicou o teor do seu personagem: "É um filme sobre arrependimento por Augustine, mas com redenção, o que nos dá esperança."

    Além disso, o trabalho dele nos bastidores também foi impecável, como destaca Oyelowo. O intérprete do comandante da nave afirmou que Clooney soube guiar a tripulação, colocando a premissa básica para a equipe de que eles deviam ser "um grupo de amigos no fim do mundo."

     

    Esperança

     

    Da mesma forma que Augustine é esse paradoxo sombrio e iluminado, Clooney quis passar esse tom para o longa como um todo. Um exemplo utilizado pelo ator para comprovar essa abordagem foi a gravidez de Jones, que descobriu a gestação durante as filmagens e acabou por levar isso a Sullly. Segundo o diretor, o filho de Felicity uniu a todos como uma família, assim como os astronautas, mesmo em uma situação extrema - no caso do filme, o apocalipse.

     

    Clooney ainda comentou sobre como a instabilidade política e social vista no mundo nos dias de hoje se relaciona com a ideia do projeto: "Quando começamos a falar sobre o filme, discutimos o que o ser humano é capaz de fazer a ele mesmo. Pensamos sobre toda a raiva e ódio presentes nas nossas vidas, não só nos Estados Unidos, mas no mundo... A história é sobre a necessidade desesperarda de estar em casa e perto das pessoas que amamos."

     

    Portanto, o longa não poderia ser mais atual e carrega uma mensagem que nos faz refletir sobre as falhas da humanidade com um todo, mas sem deixar de lado o sentimento de amor e esperança que podemos ter. 

     

    Técnica impecável 

    Não é de hoje que projetos de ficção científica enchem os nossos olhos com imagens sensacionais. Porém, O Céu Da Meia-Noite não é mais do mesmo e também é um impacto visual. Como o próprio Clooney ressaltou, basicamente a produção traz dois filmes diferentes: a história de sobrevivência de Augustine e a dos astronautas. Dessa forma, o contraste entre esses dois ambientes - uma nave no espaço e o clima polar na Terra - são construídos com maestria e deixam o espectador imerso naqueles cenários. 

     

    Bichir destacou que apesar do filme contar com muitos efeitos em computação gráfica, os atores entraram em cena com imagens do que estaria no corte final do longa. Com isso, a emoção da trama ficou mais genuína. Consequentemente, podemos concluir que o projeto não fez bonito só por fazer; há uma finalidade nessa técnica, mais um fator que prova que Clooney e sci-fi foram feitos feitos um para o outro. 

     

     

    Veja o trailer do filme: