cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    GRAMADO 2010: Documentário investiga América do Sul e se distancia de Oliver Stone

    Por Heitor Augusto, enviado especial a Gramado
    08/08/2010

    Sábado (7/8), segundo dia da mostra competitiva do Festival de Gramado, foi exibido no Palácio dos Festivais De Ojos Bien Abiertos: Un Viaje por Sudamerica de Hoy, de Gonzalo Arijon (codiretor de “Stranded”).

    Sem muitos segredos, o filme já se auto-explica pelo título. Em primeira pessoa, o documentário acompanha as transformações políticas da América do Sul, especialmente de Brasil, Bolívia, Venezuela e Equador. Lula, Evo Morales e Hugo Chávez, com suas semelhanças e diferenças ideológicas.

    Impossível não lembrar imediatamente de Ao Sul da Fronteira, filme de Oliver Stone com uma proposta parecida, acompanhar as mudanças do panorama político desde a primeira eleição de Lula. “Mas não é um filme objetivo, jornalístico. É a minha viagem”, defendeu-se antecipadamente Arijon.

    Felizmente, há uma enorme diferença entre o discurso de Stone – preso ao oficial – e o do diretor uruguaio Gonzalo Arijon – mais atento às diferenças locais. Por exemplo: Lula, mesmo com a posição estratégica de mediar o diálogo entre lá (Estados Unidos) e cá (América do Sul), é considerado conciliador, conservador e pelego pelos movimentos sociais que ajudaram na sua eleição extremamente.

    “Se quem assistir a meu filme estiver esperando um dogma político, então eu perdi a proposta. É político, mas não só. Mas eu sou um entusiasta”, explicou o diretor. Arijon tem uma clara afeição pelas mudanças da América do Sul, mas faz ressalvas a cada processo.

    Por exemplo, a Venezuela, no período pós-Chávez, mas Arijon se distancia do homem show, cheio de parafernália verbal, do espetáculo. E recorre a Eduardo Galeano, na figura de entrevistado que amarra os assuntos do filme, para pontuar as diferenças. “Na Venezuela, é uma revolução complicada e desordenada da Venezuela”.

    Onde há mais alumbramento é no trecho da Bolívia e nas decisões de Evo Morales, o primeiro presidente índio da história daquele país. A nacionalização dos hidrocarbonetos é um tema que ocupa boa parte do documentário.

    “Eu procurava histórias nesses lugares, gosto de descobrir. Meu começo era falar sobre um pouco do que está acontecendo desde o início dos anos 2000”.

    De Ojos Bien Abiertos: Un Viaje por Sudamerica de Hoy é um feliz contraponto a Ao Sul da Fronteira, de Oliver Stone. É bom ver o cinema refletindo sobre as mudanças políticas da América do Sul. Que venham mais filmes a pensar sobre nós mesmos, seja pela perspectiva da identidade ou política.