cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Hollywood preocupada com hackers

    Por Da Redação
    08/08/2001

    Ultimamente os estúdios de Hollywood vêm tendo uma dor de cabeça com a Internet: filmes como American Pie 2, Shrek e Pearl Harbor circulando em versões piratas na rede, antes mesmo da estréia nos cinemas. Só em pirataria, a indústria cinematográfica americana calcula que perde cerca de 2,5 bilhões de dólares por ano. Parte desse prejuízo tem origem nos hackers e, com a projeção digital e com serviços de video-on-demand, os números devem crescer.

    Mas agora a preocupação aumentou e está virando quase uma paranóia. Hackers entram nos computadores dos estúdios e acessam todo tipo de informação confidencial. Além de trechos de filmes, são roubados e-mail de executivos, roteiros, arquivos de agências de atores, de escritórios de advocacia e de contabilidade. Os executivos temem que projetos em desenvolvimento e dados pessoais de clientes sejam expostos, e que negociações sejam sabotadas, refeitas por um concorrente que já sabe o que foi ou vai ser proposto.

    A empresa Global Network Security Services, especializada neste tipo de segurança, foi contratado para checar a vulnerabilidade de algumas empresas, entre elas a Warner Brothers e a MGM. O funcionário James Sinclair, sem muita dificuldade, conseguiu informações não divulgadas sobre o último projeto de Spielberg, Minority Report, vasculhou arquivos de uma agência de atores, teve acesso a material de filmes em pós-produção.

    Gente como ele é contratada para proteger os computadores das empresas, mas, por outro, gente tão competente quanto é contratada para driblar a segurança. Além da pirataria, a própria rivalidade entre os estúdios é apontada como um perigo. E estima-se que o trabalho dos hackers está cada dia mais bem cotado.

    Porém, Sinclair acredita que 90% dos casos de pirataria ou material roubado contam com a participação de empregados das firmas. Um exemplo citado é de um laboratório que revela negativos e passa material de película para digital: empregados levavam material para casa e colocavam na rede.