Masculinidade tóxica e o cinema: Como filmes podem nos ajudar a ser melhores

Entenda como a cultura machista é refletida ou criticada no cinema

05/11/2020 12h35

Por Daniel Reininger

O caso do "Estupro Culposo" nos faz refletir sobre o machismo e a cultura do estupro em nossa sociedade. Agressão, poder e sexo estão no centro da masculinidade tóxica. Discutir essa questão é importante demais para homens e mulheres e o cinema pode ser crucial nesse ponto.

Esses 6 filmes podem ajudar a entender essa questão:

Eu Não Sou Um Homem Fácil (2018)

A comédia francesa da Netflix traz o típico machão como protagonista, um personagem que reproduz inúmeros comportamentos tóxicos. Tudo muda quando ele bate a cabeça e acorda num universo em que são as mulheres o gênero dominante e reproduzem as mesmas opressões do mundo machista contra os homens e ele experimenta na pele as pressões estéticas, o assédio, objetificação e os relacionamentos abusivos.

Moonlight - Sob A Luz Do Luar (2016)

Entre suas muitas questões sociais, o vencedor do Oscar de Melhor Filme em 2017 faz uma discussão sobre como a masculinidade é construída. O premiado longa-metragem conta a jornada de Chiron em busca por sua identidade e trata questões como a homossexualidade, bullying, violência e preconceito.

Tomboy (2011)

Esse filme francês escrito e dirigido por Céline Sciamma discute a construção da identidade, gênero na infância e dificuldades das relações entre crianças e pais nesse processo. É a história de uma criança de 10 anos, designada menina, mas que se vê como menino e procura lutar por essa identidade, enfrentando muito preconceito e violência.

Terra Fria (2005)

Esse é um caso real. Aimes é uma mulher que deixa o marido espancador e parte a procura de emprego. Acaba indo trabalhar em uma mineradora de ferro, mas como uma das poucas mulheres do local, sofre com os abusos masculinos que vão desde xingamentos até investidas sexuais. Sem apoio, Aimes decide entrar com uma ação judicial contra a empresa.

Passageiros (2016)

Jennifer Lawrence e Chris Pratt estrelam esse longa extremamente misógino. Não só o filme mostra uma relação abusiva, como dá a entender que tudo que a mulher precisa na vida para ser feliz é um homem. No longa, o personagem de Pratt acorda a de Lawrence durante uma viagem espacial e a sentencia a uma vida solitária ao lado dele, só porque ele estava sozinho.

Gatinhas E Gatões (1984)

O bonitão do colégio e o nerd conversam sobre como a namorada do primeiro costuma ficar bêbada nas festas e o rapaz permite que o amigo leve embora a garota bêbada e quase inconsciente. Pior: ainda solta um "divirta-se". Em outra cena, eles falam sobre o que aconteceu durante a noite: a garota não se lembra de nada, mas o diálogo dá a entender que houve sexo, portanto, estupro. Vale lembrar que Molly Ringwald, protagonista do filme, publicou uma carta na revista The New Yorker chamando os filmes de John Hughes (Clube Dos Cinco) de "misóginos, racistas e homofóbicos". "Estava preocupada que algumas partes do filme fossem problemáticas para a minha filha, mas não esperava que no final afetassem mais a mim", disse.

Esses são alguns exemplos de filmes que ajudam a entender o problema, identificar comportamentos nocivos e combatê-los. Você lembra de outros?

 

Veja também:

Polêmica! Conheça as maiores tretas dos bastidores do cinema


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus