cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Missão Cupido acerta flecha no coração dos fãs de cinema nacional

    Comédia nacional promete uma narrativa surrealista
    Por Daniel Reininger
    25/08/2020

    Missão Cupido é a comédia romântica com tom surrealista dirigida por Rodrigo Bittencourt. O filme acompanha Miguel, o atrapalhado anjo da guarda de Rita que, sem ter a dimensão dos seus poderes, profetiza que a garota nunca encontrará um amor.

    Esse é o terceiro longa-metragem de Bittencourt e retrata uma batalha entre a Morte, interpretada por Ágatha Moreira, e um Anjo da Guarda, papel de Lucas Salles, pela vida e coração de Rita, vivida por Isabella Santoni.

    Rodado entre o Rio de Janeiro, em locações como a Praia de Grumari, Horto, Ipanema e Nova Friburgo, traz roteiro e trilha sonora assinados pelo próprio cineasta e produção de Clélia Bessa, da Raccord. O filme tem coprodução da Paramount Pictures e distribuição da H2O Films.

    Rodrigo Bittencourt, conhecido por Totalmente Inocentes e Real - O Plano Por Trás Da História, decidiu contar a história com uma narrativa pop e surrealista, com muito neon, fumaça, luzes em locações realmente inspiradoras. O longa usa ainda o conceito de paleta de cores bem diferentes e marcantes para reforçar essa dinâmica de outro mundo.

    Missão Cupido

    O roteiro é irreverente e apresenta muitas surpresas, como o fato da protagonista, que nunca deveria encontrar o amor, o encontrar exatamente na figura da morte. É aí que Miguel recebe uma ordem do Todo Poderoso, o presidente da Miracle (Rafael Infante), uma agência de seguros de vida da qual os assegurados são os seres humanos e os funcionários são anjos, para descer à Terra e resolver os problemas de Rita. Mas ele não contava com as emoções humanas e com os diálogos surreais com a Morte.

    O filme aproveita ainda para tratar sobre inclusão LGBTQI+, com o romance das duas garotas, A Morte e Rita. Algo relevante e, tratar disso com humor e de uma forma surreal, se bem feito, pode ser um grande serviço para a questão da representatividade.

    O longa promete transitar entre o POP e o artístico e tem potencial para ser uma das grandes comédias nacionais. O diretor ainda promete muitas referências escondias, para os amantes da cultura pop.

    Estamos ansiosos para ver o resultado final!