cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Morre o ator Jack Palance

    Por Da Redação
    13/11/2006

    Morreu sexta-feira (10), na Califórnia (EUA), o lendário ator Jack Palance. Notório depois de seus papéis como caubói em filmes como Os Brutos Também Amam (1953) e Amigos, Sempre Amigos (1991), Palance morreu aos 87 anos de causas naturais.

    Nascido na Pensilvânia em 18 de fevereiro de 1919, foi batizado como Volodymyr Palanyuk . Era filho de um mineiro e embarcou numa carreira como boxeador nos anos 30 sob o pseudônimo de Jack Brazzo. Além disso, ele também se alistou no Exército nessa mesma época, sendo convocado a lutar na Segunda Guerra Mundial. Voltou aos EUA com cicatrizes de queimaduras em seu rosto, marcas que acabaram facilitando em sua carreira como ator, já que seu aspecto, aparentemente ameaçador, definiu os perfis de personagens que era convidado a interpretar: vilões. A carreira de ator começou logo que voltou da guerra, em peças da Broadway. No primeiro filme, Palance aparece nos créditos como Walter Jack Palance. Foi em Panic in the Streets, de 1950.

    A primeira indicação ao Oscar aconteceu dois anos depois, na categoria de Melhor Ator Coadjuvante por Precipícios D'Alma, no qual interpreta o marido malvado de Joan Crawford. Em 1953, estrelou um dos maiores clássicos do cinema faroeste, Os Brutos Também Amam, ao lado de Jack Wilson e Alan Ladd. A interpretação, que também rendeu uma indicação ao Oscar, marcou a carreira de Palance para sempre. Ele estrelou muitas outras produções na seqüência, geralmente como o vilão em faroestes. O ator também trabalhou em séries de TV e em produções estrangeiras, como o italiano O Juízo Universal, de Vittorio De Sica, e o clássico O Desprezo, de Jean-Luc Godard.

    Em 1991, Palance reapareceu quando todos apostavam no fim de sua carreira. Por sua atuação em Amigos, Sempre Amigos, ao lado de Billy Cristal, mostrou não somente ainda estar em plena forma, mas também ter uma verve para comédia. No ano seguinte, recebeu seu primeiro Oscar, de Melhor Ator Coadjuvante, por sua atuação na comédia. O momento em que Palance recebeu o prêmio da Academia ficará para sempre na história do Oscar: aos 73 anos, fez flexões com um braço só em pleno palco como uma forma de provar que ainda estava ativo, mais do que todos pensavam, levando a platéia ao delírio. Desde então, Palance vinha fazendo aparições esporádicas em produções. Seu último filme foi Back When We Were Grownups, produzido para a TV e indicado ao Emmy.

    Palance permaneceu casado com a atriz Virginia Baker de 1949 a 1966, com quem teve três filhos. Em 1987, casou com Elaine Rogers.