cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    O Lobo De Wall Street: Leonardo DiCaprio defende produção

    Filme sobre a vida desvairada do corretor da Bolsa de Valores americana foi alvo de críticas da audiência
    Por Ana Carolina Addario
    07/01/2014

    Alvo da crítica e da audiência por sua ode ao hedonismo, O Lobo De Wall Street estreou há duas semanas nos Estados Unidos e foi cercado por polêmicas. Mas seus astros estão dispostos a protegê-lo. Em entrevista à Variety, o ator e produtor Leonardo DiCaprio (O Aviador) defendeu o longa - com lançamento nacional previsto para 24 de janeiro - e falou sobre o reencontro com Martin Scorsese.

    + O Lobo de Wall Street: Produção é acusada de maltratar chimpanzé

    "O filme pode ser mal compreendido por alguns, mas espero que as pessoas entendam que não aprovamos seu comportamento (de Jordan Belfort, protagonista da história). O livro no qual o filme foi inspirado é um conto de alerta sobre este mundo tóxico. Acho incrível que Martin Scorsese ainda faça filmes vitais mesmo com elementos controversos, que apelam para pessoas da minha geração", defendeu DiCaprio.

    + Veja o trailer de O Lobo de Wall Street

    O Lobo de Wall Street acompanha a história de Jordan Belfort, um corretor da Bolsa de Valores americana que cumpriu pena de 20 anos de prisão porque se recusou a colaborar com as investigações de um caso de fraude bancária envolvendo corrupção e até negócios com a máfia. A história foi inspirada em biografia homônima do corretor, a qual revela os detalhes mais sórdidos do mundo das grandes operações financeiras norte-americanas. Detalhes estes que, segundo DiCaprio, foram determinantes para a produção do filme.

    + O Lobo de Wall Street quebra recorde de uso de palavrão

    "Este é um mundo que me intriga - tenho fascínio e repulsa por ele. Jordan Belfort não foi responsável por falir nosso país, mas representa uma parte de nossa cultura que se comporta com essa finalidade. Quando se é inserido neste mundo, sua maior motivação é mostrar a seu chefe o que você merece. É uma mentalidade frenética e destrutiva e, no filme, Jordan se torna o líder desta cultura. Mas nem todas as pessoas em Wall Street são assim", disse.