cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    'O Silêncio dos Inocentes' faz 30 anos e você (provavelmente) ainda não viu tudo!

    Após 3 décadas permanece sendo o único filme de terror a ganhar uma estatueta de ouro
    Por Cauê Nessin
    17/05/2021 - Atualizado há 4 meses

    O Silêncio dos Inocentes completou 30 anos no dia 17 de maio de 2021 e permanece impecável. Mesmo depois 3 décadas de existência, continua sendo considerado uma das obras que revolucionou o terror.

    Em comemoração à conquista, os protagonistas da trama, Jodie Foster e Anthony Hopkins, tiveram um bate-papo com a equipe da Variety para relembrar alguns pontos marcantes da produção.

    Veja a seguir uma série de fatos interessantes que os atores revelaram sobre a produção de Silêncio dos Inocentes, um dos filmes mais marcantes do Cinema contemporâneo!

    Anthony Hopkins já sabia que o filme seria um sucesso

    Cena do filme O Silêncio dos Inocentes (1991)Reprodução

    Anthony Hopkins disse que foi melhor roteiro que já leu na vida

    Anthony Hopkins dispensa apresentações, afinal tem uma longa trajetória de sucessos no Cinema e inúmeros prêmios por suas atuações brilhantes. Ou seja, surpreender alguém deste porte não é uma tarefa fácil.

    Mas, em 1989, quando Hopkins teve seu primeiro contato com o roteiro de Silêncio dos Inocentes, o ator precisou ligar para seu agente para confirmar que aquilo era sério.

    - "Esse é melhor roteiro que já li na vida", afirmou Hopkins, logo após ter lido as 10 primeiras páginas do material.

    Dias depois, quando se encontrou com o diretor Jonathan Demme para um jantar, Hopkins estava muito animado pois tinha certeza de que estava diante de um projeto promissor.

    Os atores tinham "medo" de falar um com o outro

    Clarice Starling e Hannibal LecterReprodução

    Os protagonistas quase não conversavam durante as gravações

    Jodie Foster (vencedora do Oscar de Melhor Atriz por sua personagem Clarice Starling) revelou que a dupla estava tão comprometida com seus papéis, que era como se realmente fosse melhor que não se falassem nos bastidores das gravações.

    A atriz contou, ainda, que sentiu um certo arrepio ao ver Anthony Hopkins atravessando a sala [para fazerem a leitura do roteiro]. Era como se o próprio Hannibal Lecter estivesse ali.

    _"...era como se estivéssemos com medo de falar um com o outro depois disso", contou Foster à Variety.

    Era para o elenco ser totalmente diferente

    Anthony Hopkins, Jodie Foster e Scott GlennDivulgação

    Michele Pfeiffer, Sean Connery e Gene Hackman foram as escolhas iniciais

    O diretor Jonathan Demme tinha outros atores em mente para integrarem o elenco da trama. A princípio, o médico canibal seria interpretado por Sean Connery, o James Bond da década de 60. Mas nem mesmo o 007 teve estômago para assumir um personagem tão perturbado.

    Já o agente do FBI responsável pela Unidade de Ciência Comportamental, Jack Crawford, seria interpretado por Gene Hackman, mas o ator recusou o papel por achar a história muito violenta. O personagem acabou sendo assumido por Scott Glenn.

    A investigadora estagiária, Clarice Starling, quase foi interpretada por Michele Pfeiffer, mas a atriz não quis participar do projeto devido ao tom sombrio do filme, dando espaço para Jodie Foster

    _"...havia tanta maldade naquele filme. Foi o mal que venceu no final. Eu não estava confortável com aquilo [o final do filme]. Eu não queria fazer parte daquilo.", disse Pfeiffer em uma entrevista ao The New Yorker na época.

    Anthony Hopkins acabou chamando a atenção de Jonathan Demme graças à sua atuação em O Homem Elefante (1980).

    Entre outros grandes nomes que foram considerados para integrar o elenco estão Daniel Day-Lewis, Dustin Hoffman, Robert De Niro e Al Pacino.

    Conteúdo Relacionado