cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Oliver Stone quer Javier Bardem para cinebiografia de Pablo Escobar

    Por Da Redação
    10/11/2010

    O diretor Oliver Stone (Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme) concedeu entrevista à revista espanhola Clio e disse que gostaria de Javier Bardem (Comer, Rezar, Amar) para o papel do traficante Pablo Escobar.

    Nas palavras de Stone: "Tenho o roteiro escrito e tenho em mente Javier Bardem para o papel". O cineasta afirma que faltam produção e financiamento para o filme, mas que gostaria de dar início ao projeto o quanto antes. Em sua opinião, "o narcotráfico é algo crucial para entender a América do Sul em sua totalidade e complexidade".

    Oliver comentou sobre outros de seus filmes na entrevista. Sobre Platoon, que se tornou um dos maiores clássicos do cinema sobre o Vietnã, ele comenta que ainda admira, duas décadas depois, o realismo da obra. "Tudo que se mostra ali é autêntico. O verdadeiro conflito estava em nosso interior, não apenas em um inimigo fantasma e desconhecido. Quis mostrar todo o horror de uma geração que foi enviada a uma batalha que não compreendia e acabou contagiada pela violência."

    O diretor também comentou sobre Nascido em Quatro de Julho, que fala sobre um "garoto idealista, inocente, que crê em sua pátria [...] e que é mutilado (física e psicologicamente) em uma loucura infernal". Ele fez a analogia do próprio garoto mostrado no filme e interpretado por Tom Cruise (Ron Kovic) como alegoria para o país dos EUA como todo após a guerra.

    Sobre a América do Sul, à qual o diretor dedica muito de sua atenção nos últimos anos, ressaltou que é necessário mostrar a real situação em vários países que tiveram situações de ditadura ao longo das últimas décadas, que ele considera como "manchas negras em nossa história".

    Para fechar, é claro, não pôde ficar sem alfinetar um pouco o governo Bush, que mostrou em seu filme W., sobre George W. Bush: "Bem, [a cinebiografia] foi uma necessidade de satirizar e resumir, com muito trabalho de documentação, alguém que foi muito danoso em sua ignorância".