cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Os maiores estúdios de filmes de Terror

    Conheça os estúdios responsáveis por levar às telonas alguns dos maiores filmes de Terror de todos os tempos
    Por Da Redação
    22/12/2020

    A história do Terror no Cinema conta com mais de cem anos de assombro. Nós preparamos um especial sobre a trajetória de um dos gêneros mais controversos da Sétima Arte, que você pode ler completo aqui: A História do Terror no Cinema: tudo sobre filmes de terror!

     

    Os estúdios mais emblemáticos por trás dos maiores filmes de terror

     

    Filmes de terror, do mais gore ao mais psicológico, sempre tiveram um lugar especial na Sétima Arte. Apesar de frequentemente serem esnobados pelas grandes premiações, é inegável que o gênero possui obras-primas das mais variadas. Mas, para elas chegarem a ser feitas, antes precisam contar com bons diretores e, principalmente, com estúdios que estejam dispostos a embarcar nessa jornada.

    Não são só de grandes estúdios que saem os filmes mais aclamados da Sétima Arte. Quando o assunto é terror, várias produtoras mais nichadas têm portfólios invejáveis. Entre elas, não dá para passar batido por três principais: Hammer Film Productions, Blumhouse Filmes e A24 Filmes.

    Hammer Film Productions: os clássicos filmes de terror

    Um dos estúdios que mais trouxe clássicos dos filmes de terror para as telonas, a Hammer é uma empresa britânica cuja história começou lá em 1934. Apesar de um começo incerto e sem grandes lançamentos, a empresa pegou o jeito mesmo a partir na década de 1950.

    Em 1955, lançou o longa Terror que Mata, que foi um ótimo começo para chamar a atenção de grandes distribuidoras, entre elas Paramount e Columbia. Apesar dessa ajuda, o ciclo de sucesso da Hammer começou de fato só no ano seguinte com a aposta em A Maldição de Frankenstein (1956), recheado de muita violência e terror. Com a boa resposta do público, o estúdio investiu em outro monstro velho conhecido do terror: Drácula.

    Vampiro da Noite (1958) quebrou recordes de bilheteria ao redor do mundo e tirou a Hammer do anonimato. O sucesso estrondoso garantiu um acordo com a Universal para trazer mais personagens do terror clássico para as telonas. Com isso, vieram vários longas que marcariam a história dos filmes de terror, como: A Múmia (1959), O Cão dos Baskervilles (1959), O Monstro de Duas Faces (1960) e O Fantasma Da Ópera (1962).

    No começo da década de 1970, a Hammer tentou acompanhar as tendências dos filmes de terror, apostando em muito sexo e violência, mas os resultados não foram muito animadores e por volta de 1980 a empresa perdeu o brilho - e o financiamento. Desde então, ela foi vendida algumas vezes até finalmente voltar para as telonas, quase 30 anos depois, com novos longas de terror como Deixe-me Entrar (2010), A Inquilina (2010) e A Mulher De Preto (2011).

    Blumhouse Filmes: a lucratividade nos filmes de terror

    Se a Blumhouse é conhecida por algo é por trazer à vida filmes de terror com baixíssimos orçamentos e alta lucratividade. Essa foi a proposta quando Jason Blum fundou o estúdio em 2000 e o que poderia parecer uma ideia ambiciosa a princípio, tornou-se realidade alguns anos depois.

    Em 2007, a Blumhouse Filmes lançou Atividade Paranormal, que contou com míseros 15 mil dólares de orçamento e, depois de ser vendido para a Paramount, arrecadou mais de 193 milhões de dólares. Seguindo o mesmo formato de baixo orçamento, vieram outros sucessos de bilheteria, como Sobrenatural (2010), A Entidade (2012), Uma Noite De Crime (2013) e Ouija - O Jogo Dos Espíritos (2014).

    Mesmo com um currículo já firmado no terror, nos anos seguintes a Blumhouse também se aventurou por outros gêneros. Um exemplo foi Whiplash - Em Busca Da Perfeição (2014), aclamado pela crítica e indicado a diversas categorias do Oscar, e outro mais recente foi Infiltrado Na Klan (2018), de Spike Lee, que também foi muito bem recebido pelo público e premiações.

    Apesar do currículo recheado de sucessos e alta lucratividade, o estúdio ainda precisava de um grande lançamento para de fato conseguir deixar sua marca no gênero do terror. A oportunidade chegou com o novato Jordan Peele, que propôs um terror psicológico moderno cheio de suspense e críticas sociais. Não deu outra: Corra! estreou nos cinemas em 2017 com um orçamento de 4,5 milhões de dólares e bilheteria mundial de 255 milhões, sendo o terceiro filme de terror a ser indicado à categoria de Melhor Filme no Oscar.

    Em seguida, o estúdio também trouxe para as telonas Nós (2019), também de Jordan Peele, que ficou na história como o filme de terror com a maior bilheteria de estreia da história. O sucesso não subiu à cabeça e a Blumhouse não esqueceu dos terrores mais clássicos e adolescentes, recentemente lançando longas como Verdade Ou Desafio (2018) e Halloween (2018).

    A24: a novata queridinha do novo terror

    Criada em 2012, a A24 é um estúdio com uma pegada independente que começou com longas menores como Spring Breakers (2012) e Bling Ring: A Gangue De Hollywood (2013). Foi a partir da fama que adquiriu com os primeiros filmes que a produtora começou a se aventurar no cinema de terror - mundo do qual não saiu mais e ao qual começaria a ser associada pelos longas alternativos e viscerais.

    Em 2015, lançou A Bruxa, um dos filmes mais aclamados do novo terror, marcado por cenas perturbadoras e sufocantes. Por sinal, a liberdade criativa dos filmes da A24 são marca registrada da produtora, que é conhecida por não fazer cortes para agradar ao público. Em outras palavras, se for para assistir longas de terror desse estúdio, esteja preparado para um conteúdo de difícil digestão.

    Outros filmes de terror do estúdio que merecem destaque são Hereditário (2018), que levou os espectadores ao limite com a alta carga dramática e tensão, e Midsommar (2019), no qual um dia ensolarado é palco de um enredo perturbador repleto de misticismo e cenas fortes. Por fim, O Farol (2019) foi o lançamento mais recente do estúdio e não fica atrás dos anteriores: o longa é puro terror psicológico, que escala lentamente até o ápice, para o qual é preciso estar preparado.

    Leia também: A História do Terror no Cinema: medo ao redor do mundo