cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Legado de Michael Jackson vai muito além da música

    Cantor que faleceu em 2009 completaria 63 anos hoje (29)
    Por Da Redação
    29/08/2021 - Atualizado há 20 dias

    Nascido em 29 de agosto de 1958, hoje seria o dia em que o eterno Rei do Pop, Michael Jackson, completaria 63 anos. 

    Uma data não tão... emblemática, digamos. No entanto, mesmo tendo dado adeus ao mundo em 2009, a figura de Jackson continua viva como nunca. Especialmente nas últimas semanas, basta jogar seu nome Google para confirmar.

    Por exemplo, o álbum “Thriller”, um dos seus maiores sucessos, acaba de receber o certificado de platina pela 34ª vez, tornando-se o segundo disco mais vendido da história dos Estados Unidos (o campeão ainda é a coletânea de melhores hits dos The Eagles). 

    Sem contar que o Cirque du Soleil, companhia multinacional de entretenimento, está prestes a retornar suas apresentações — paradas desde o início da pandemia do novo coronavírus — com o espetáculo baseado na obra do cantor (‘One’), e que sua filha, Paris Jackson, estrelou em uma série de episódios recentes de American Horror Stories, nova série da franquia criada por Ryan Murphy

    E adivinhe só: para os desavisados, a figura de Michael vai muito além de Thriller, de Beat It, de “I wanna rock with you (all night)...” e do sample da canção de abertura do finado Video Show, programa das tardes da Rede Globo.

    O cantor tem também uma carreira cinematográfica diversa*. Quer conhecê-la? Basta acompanhar o texto! *Lembrando que documentários sobre Jackson não serão considerados, visto que estamos celebrando as habilidades de Michael enquanto ator.

    Videoclipes

    Antes de falarmos um pouco sobre a carreira de Michael nas telonas, é importante discutirmos rapidamente sobre seus clipes musicais. Há quem diga que, além de Rei do Pop, Jackson também foi o Rei da MTV. Mas como a conversa aqui é sobre cinema, saiba que alguns vídeos de Jackson foram dirigidos por nomes como Steve Barron (“Billie Jean”), John Landis (“Thriller” e “Black or White” [acima]), Martin Scorsese (“Bad”), John Singleton (“Remember the Time”), David Fincher (“Who Is It”), Spike Lee (“They Don't Care About Us” versão brasileira e a versão gravada no presídio).

    A filmografia de Jackson

    Michael Jackson recebeu sua estrela individual na calçada da fama em 1984Divulgação

    Embora Michael não tenha se firmado como uma estrela que cruzou a música e o cinema com tanta frequência, diferentemente de outros cantores, como Madonna, Lady Gaga e Cher, o Rei do Pop possui uma filmografia interessante, mesmo que seja modesta. Veja:

    O Mágico Inesquecível (1978)

    Jackson como o Espantalho em O Mágico Inesquecível, de 1978Divulgação

    O longa era uma reimaginação do clássico literário de L. Frank Baum, escrito em 1900, que, por sua vez, ficou famoso no cinema graças à versão de 1939 — também responsável por eternizar Judy Garland como Dorothy. No entanto, o “extra” de O Mágico Inesquecível (1978) era o fato do seu elenco ser composto apenas por astros negros. 

    Dorothy era a deusa do disco Diana Ross (Mahogany), o mestre da comédia Richard Pryor (Superman 3) interpretava o mágico de Oz, enquanto Michael era o Espantalho. Além de ter sido o seu primeiro papel nas telonas, Jackson contou em uma entrevista que foi durante as filmagens do título que conheceu o produtor musical Quincy Jones, figura bastante influente no restante de sua carreira.

    Captain EO (1985)

    Curta de Ford Coppola infelizmente não está disponível no Disney+Reprodução

    Produção comissionada pela Disney, o curta de 17 minutos foi dirigido por Francis Ford Coppola, simplesmente o próprio Poderoso Chefão (ou, pelo menos, o diretor por trás da emblemática trilogia). 

    Em Captain EO (1985) — título sem tradução para o português —, acompanhamos uma aventura do Rei do Pop ao lado de alienígenas em uma nave espacial. Filmado totalmente em 3D, o curta foi produzido para ser apresentado em uma das atrações do parque do Mickey Mouse, tarefa devidamente cumprida entre os anos de 1986 a 1998. 

    Após o intervalo em questão, o curta voltou a ser exibido no parque da Disney somente no ano de 2010, após a morte do cantor — falecido em 2009. A última vez que Captain EO foi transmitido nas instalações do Walt Disney World foi em 6 de dezembro de 2015, no Epcot Center

    Infelizmente o curta não está disponível pela Disney+. Quem sabe algum dia entre no catálogo, quem sabe...

    Moonwalker (1988)

    Michael foi além em Moonwalker. Atuou, produziu e ajudou a escrever o longa.Reprodução

    Já em Moonwalker,  Michael interpreta ele mesmo, contudo, com poderes sobrenaturais. E com a bênção, cabe a ele ajudar três crianças a fugir de um criminoso. Ao longo de 90 minutos, ele luta, atira, foge, e claro, canta e dança. 

    Aliás, o longa é tido praticamente como o pré-lançamento oficial do hitSmooth Criminal’, que conta com mais um daqueles passos que só Michael consegue fazer — e que com certeza você tentou imitar na solidão do seu quarto. 

    Sabe qual é o melhor? A atração pode ser (re)vista pela Vivo Play.

    MIB - Homens de Preto II (2002)

    Apenas uma pontinha no filme estrelado por Will SmithReprodução

    Em MIB - Homens de Preto II (2002), o cantor faz apenas uma pontinha no filme estrelado por Will Smith e Tommy Lee Jones

    No papel de Agente M. (nome sugestivo...), o cantor fala com Zed, o personagem interpretado por Rip Torn, por meio de uma chamada de vídeo. E pronto, fim da participação do astro. 

    Aliás, de tão curta, a cena com Jackson pode ser vista por inteira aqui. Mas, se você não quiser “perder o contexto” da ação, o filme está disponível pela Prime Video.

    Missão Quase Impossível (2004)

    Cena da aparição de Michael no filme cuja nota média no site Rotten Tomatoes é 28%Reprodução

    A última aparição do cantor em um filme, infelizmente, foi em uma produção cujo nível de qualidade está muito abaixo de algo que pode flertar — na melhor das hipóteses, ainda por cima — com qualquer coisa que se enquadre na categoria “questionável”. 

    No telefilme Missão Quase Impossível (2004), Jackson tem apenas uma cena. No clique, ele é responsável por transmitir uma mensagem ao protagonista do título na forma de um holograma. 

    Gostaria muito de saber por quais motivos o cantor se submeteu a participar do projeto, mas creio que ficarei sem respostas. 

    Aliás, para título de curiosidade, Missão Quase Impossível conta com uma nota 2.4 no IMDb e um índice de aprovação de 27% no Rotten Tomatoes. Não foi bem uma despedida com chave de ouro, hein?

    Bônus

    O astro já foi citado e emprestou ao voz à família mais conhecida do mundo da animação Reprodução (20th Century Television)

    Indo além do cinema, é importante compartilhar esta informação: o cantor já emprestou a voz para a família mais conhecida do mundo da animação. 

    Em “Stark Raving Dad”, primeiro episódio da terceira temporada de Os Simpsons, exibido originalmente nos Estados Unidos em 1991, Homer acaba sendo hospitalizado em uma clínica de saúde mental. Chegando lá, ele conhece um moço chamado Leon que diz ser Michael Jackson

    Na vida real, o personagem — de fato — foi dublado pelo próprio Michael. Para manter o ar de mistério, a pedido do cantor, nos créditos do episódio, um pseudônimo apareceu ao invés de seu nome. Muito legal, não é mesmo? 

    No fim do mesmo episódio, na cena em que Leon canta para Lisa uma canção, o cantor chamado Kipp Lennon faz a dublagem. Contudo, isso só aconteceu por questões contratuais, já que a música cantada foi a registrada “parabéns para você”. 

    Já em 2019, 28 anos após a transmissão do episódio, sua repercussão não pegou mais tão bem assim. James L. Brooks, produtor de Os Simpsons, resolveu remover o segmento animado de circulação, incluindo do Disney+, que contém todos os episódios da produção. 

    A decisão foi tomada após a repercussão do documentário Leaving Neverland, polêmico título que expõe a série de acusações envolvendo o cantor a questões de abuso sexual de menores ao longo dos anos. Em entrevista ao The Wall Street Journal, Brooks disse que “essa era a única opção possível”.

    Batendo na trave

    Spike Lee dirigindo Michael em um de seus clipesDivulgação

    Michael era um notório fã da cultura pop. O Neverland Ranch, por exemplo, era basicamente uma extensão da paixão do cantor pelo mundo do entretenimento. Até uma sala de cinema o rancho possui — uma baita sala, aliás, com mais de 510 metros quadrados! 

    De qualquer forma, aproveitando o seu status no segmento fonográfico, Jackson sempre tentava dar um jeitinho ali de se infiltrar nos sets de gravações de filmes para ver se “sobrava” algum papel, sabe? (Quem nunca, hein? E quem diria, o Rei do Pop era gente como a gente!)

    Em 2020, durante uma entrevista ao The Hollywood Reporter, Ralph Winter, produtor-executivo de X-Men (2000), contou que o cantor tinha o costume de aparecer “do nada” nos estúdios da antiga Fox tentando se escalar para algum papel. Só que na produção dirigida por Bryan Singer de sobras ou de figuração de luxo, e sim, dar vida ao grandioso professor Xavier — que acabou indo para Patrick Stewart

    Ao longo dos anos, o astro também pleitou por papéis em A Fantástica Fábrica de Chocolate (em ambas as versões, a clássica e a de 2005), Hook - A Volta do Capitão Gancho (1991) e  Star Wars: Episódio I – A Ameaça Fantasma (1999). 

    É, não estava fácil para ninguém... 

    Homenagens nem tão legais assim

    “Michael” teve uma série de participações na animação adulta South ParkReprodução

    Por ser uma figura, digamos, excêntrica, Jackson constantemente foi vítima de inúmeros programas de esquetes ou de produções com humor ácido e politicamente incorreto. Os títulos que mais ironizaram a fama do cantor foram a animação adulta South Park, a franquia Todo Mundo em Pânico e o humorístico Saturday Night Live.

    Visto que estamos celebrando o Rei do Pop, e não denegrindo sua imagem, vamos apenas mencionar que a forma como ele é retratado nas produções supracitados passa longe de ilustrar quem ele realmente era. E você, caso seja fã, melhor passar longe. 

    Bônus 2

    Charmoso para alguns, e prazer culposo para outros, De Repente 30 (2004) é um desses títulos obrigatórios na lista de “novos clássicos” de vários millennials. Certamente uma das sequências mais impagáveis do filme estrelado por Jennifer Garner é a que os personagens dançam “Thriller” em uma festa — com coreografia e tudo.

    Parabéns, eterno Rei!

    Leia também