cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Cheiros do medo e riso são descobertos por cientistas em cinemas

    Vencedores do prêmio Ig Nobel de Química 2021 fizeram descoberta inusitada
    Por Daniel Reininger
    05/10/2021 - Atualizado há 22 dias

    O prêmio Ig Nobel de Química de 2021 foi concedido a um grupo de pesquisadores que analisou os odores emitidos pelo público do cinema para tentar determinar os níveis de violência, sexo, comportamento antissocial, uso de drogas e palavrões nos filmes que assistiam.

    Os prêmios Ig Nobel são concedidos pelos Annals of Improbable Research e reconhecem estudos científicos improváveis, descritos como pesquisas que fazem as pessoas "rir e depois pensar".

    Cheiro do medo e do riso

    Os humanos emitem vários compostos orgânicos voláteis (COVs) através da respiração e da pele. O tipo e a taxa dessas emissões são afetados por vários fatores, incluindo o estado emocional. Medições desses COVs e de CO2 analisados em uma sala de cinema mostraram que certos componentes químicos são emitidos pelo público presente, conforme as pessoas reagem a eventos em um determinado filme.

    Descoberta

    Jonathan Williams, que lidera um grupo de pesquisa no Instituto Max Planck de Química, Mainz, Alemanha, explica que a equipe usou instrumentos 'normalmente usados ​​para investigar a química que ocorre na floresta amazônica ', para medir as concentrações de compostos orgânicos voláteis e dióxido de carbono dentro dos cinemas.

    O objetivo era ver se eles poderiam desenvolver um método baseado em dados para determinar a classificação etária atribuída a diferentes filmes. Eles concluíram que os picos de isopreno no ar do cinema estavam relacionados com o quão chocante uma cena é. Com isso, esperam poder ajudar a determinar a classificação etária que um filme deve receber.

    A equipe de pesquisa monitorou continuamente o dióxido de carbono e mais de cem compostos orgânicos voláteis emitidos por um grupo de pessoas assistindo a um filme no cinema. Eles descobriram que os químicos emitidos pelo público variavam enquanto assistiam aos filmes, de modo que cenas de suspense ou comédia faziam com que o público alterasse as emissões.

    Eles perceberam que esses químicos variam de filme para filme, mas se mantém estáveis mesmo em diferentes exibições para públicos diferentes. Ou seja, eventos específicos de um determinado filme, como por exemplo cenas de "suspense" ou "comédia", fizeram com que o público mudasse os gases emitidos.

    Essas descobertas têm muitos usos potenciais. Sinais químicos síncronos e transmitidos por humanos abrem a possibilidade de avaliação objetiva e não invasiva da resposta de um grupo humano a estímulos por medição contínua de substâncias químicas no ar.

    “Ao aplicar técnicas avançadas, mostramos que grupos de pessoas respondem de forma reproduzível a certos estímulos emocionais, por exemplo, suspense e comédia, exalando gases-traço específicos”, diz o Dr. Joerg Wicker, do Grupo de Aprendizado de Máquina da Universidade de Auckland .

    Ajuda na classificação etária

    Esses resultados foram considerados promissores pela emissão do gás isopreno, que previu de forma confiável a classificação etária de uma variedade de gêneros de filmes e as faixas etárias do público. 

    "Portanto, a emissão de isopreno por pessoa pode, no futuro, ser uma ajuda valiosa para os comitês de classificação nacionais, ou mesmo oferecer uma alternativa, uma métrica objetiva para classificar filmes com base nas reações de grandes grupos de pessoas", diz o estudo.

    O estudo ainda explica que com a aplicação de novas técnicas "Isso pode ser útil para a indústria cinematográfica, que edita filmes para torná-los acessíveis ao público-alvo desejado".

    Ou seja, se o estudo for levado a diante e à sério, poderia ajudar a determinar se o filme está de acordo com o público que pretende atingir, além de descobrir a intensidade de certas cenas, a fim de entender o impacto real no público.

    Veja mais