Pinóquio, com Roberto Benigni, é versão sombria e realista da fábula

Longa reconta a fábula clássica do menino de madeira

29/09/2020 17h00

Por Daniel Reininger

Vinte e um anos depois de ter conquistado as estatuetas de melhor ator e melhor filme estrangeiro com A Vida É BelaRoberto Benigni (O Tigre E A Neve) volta a ganhar atenção com o papel de Gepetto em uma versão sombria e realista da fábula do Pinóquio.

A relação de Roberto Benigni com o livro de Carlo Collodi começou na infância. "Eu li sozinho quando era menino porque meus pais não sabiam ler, então eu lia para eles", disse em entrevista coletiva no 70º Festival de Berlim, em fevereiro.

Ele próprio dirigiu uma versão cinematográfica da história em 2002, interpretando o famoso boneco de madeira que deseja virar menino.

O filme

 

Matteo Garrone (O Conto Dos Contos), um dos principais nomes do cinema italiano, apresenta um longa capaz de arrancar lágrimas, pelo menos foi o que aconteceu quando a produção passou pelo 70º Festival de Berlim em fevereiro.

A trama conta uma versão sombria, realista e é descrito como uma adaptação fiél do clássico conto de fadas. Na trama, Gepetto (Roberto Benigni) é um marceneiro solitário que sonha em ser pai e deseja que o boneco de madeira ganhe vida. Ele é atendido, mas o Pinóquio (Federico Ielapi) o leva em uma jornada inesperada.

"A gente tentou enxergar a riqueza humana que existe na pobreza, fazendo um conto de fadas universal sobre pessoas pobres que resistem", disse Benigni durante o Festival de Berlim, em fevereiro de 2020.

Garrone afirmou que essa é uma história atemporal. "Fala do nosso passado, do presente e do futuro, da nossa luta para sobreviver, como tentamos não cair em tentação", disse. "Apesar de usar alegorias da sociedade italiana, principalmente na forma de animais, também é universal."

O cineasta sabia que era um risco fazer mais uma adaptação de uma das obras mais conhecidas do mundo. "Queríamos surpreender, mesmo sendo uma obra tão famosa. Meu desejo é que o público se sinta deslocado e incomodado. Voltamos à história e ilustrações originais, mas também incluímos uma energia cômica em dados momentos para atingir as crianças. A vontade era fazer um filme que pudesse cativar as crianças sem trair nossa visão e linguagem cinematográfica", explicou o diretor.

O papel de Pinóquo ficou com um menino de 9 anos chamado Federico Ielapi, que passava quatro horas por dia na cadeira do maquiador para encarcar o personagem. No filme, o boneco nasce bom, mas é dado a mentiras e vive se metendo em confusão, às vezes por sua culpa, às vezes por ingenuidade. A crítica social está na questão da pobreza e na falta de empatia e justiça.

Toni Servillo (A Grande Beleza) chegou a ser escalado para interpretar o criador do protagonista, mas o papel foi para o ganhador do Oscar.

O início do filme promete ser mais realista, com Gepetto em busca de um prato de comida, mas quando Pinóquio surge, a história ganha ar de fantasia, com personagens como o Grilo Falante e a Fada de cabelos azuis, com muito destaque para a direção de arte e figurinos, como fica claro nas imagens divulgadas e no trailer.

O elenco ainda conta com Gigi Proietti ( O Encontro) e Rocco Papaleo (Basilicata Coast to Coast).

Roberto Benigni

 

O ator e diretor italiano ganhou popularidade ao conquistar os Oscars de melhor ator e melhor filme estrangeiro com A Vida É Bela (1999). O filme disputava com o brasileiro Central Do Brasil. Agora, ele volta aos holofotes com o papel do carpinteiro Gepetto na superprodução italiana Pinóquio. 

Muito popular na Itália, se tornou famoso na década de 1970 por estrelar uma série de TV chamada Televacca, que foi um grande escândalo para seu tempo, e foi suspensa pela censura do país.

Sobre o novo filme, falou da abordagem e ainda relembrou sua tentativa de adaptar a história: "A gente vem com um filme pro povão, um filme popular para crianças dos oito aos 80, apoiado numa das fábulas mais famosas do mundo. E eu ainda posso posar com a honra de ser o único ator do mundo que interpretou Pinóquio e Gepetto na mesma vida, ainda que com resultado diferente", lembrou durante o Festival Benigni, que quase foi a falência ao dirigir um longa da obra, fracasso de bilheteria em 2002.

"Agora, eu trabalho nessa história sob a direção de Matteo Garrone numa mistura de história em quadrinho, de livro infantil e da tradição da pintura ocidental.", completou.

Vale lembrar que o ator apareceu recentemente em Para Roma, Com Amor (2012), de Woody Allen.

Lançamento

 

Pinóquio está previsto para ser lançado em outubro no Brasil pela Imagem Filmes. Confira o trailer:

Veja também:

Adaptações no cinema: livros, videogames, quadrinhos e animações

Adaptações para o cinema: como a arte deve extrapolar o formato


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus