cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Por que é tão difícil adaptar videogames para o cinema?

    Seria a maldição das adaptações dos games?
    Por Daniel Reininger
    10/04/2022 - Atualizado há cerca de 2 meses

    Sonic 2 é uma graça, assim como o ótimo primeiro filme da franquia, mas essa é uma minoria entre as adaptações de videogame. Quem curte jogos, sabe que parece existir uma maldição em volta desses filmes, afinal, raros são os que funcionam.

    Essas adaptações tem sido alvo de piadas há anos porque nenhuma chega perto da qualidade dos jogos, sem falar que muitas delas são simplesmente horríveis.

    Mas afinal, por que é tão difícil adaptar videogames para o cinema?

    Maldição?

    Os quadrinhos já sofreram com o mesmo problema que assola os videogames atualmente, a falta de interesse ou capacidade de realmente adaptar personagens e história de uma mídia completamente diferente para o cinema. E os fatores aqui são inúmeros:

    • Falta de conhecimento dos envolvidos
    • Tentativa de adaptar de forma literal personagens e histórias
    • Tentativa de mudar demais personagens e histórias para caber no padrão cinematográfico
    • Preferência por filmes seguros ao invés de adaptações que vão além

    Isso pra citar alguns dos problemas, mas a lista é muito maior do que isso. Só que o centro da questão é algo ainda mais fundamental: É difícil de traduzir uma experiência interativa em uma narrativa linear.

    Videogames

    Videogames permitem não só uma experiência interativa, mas garantem que personagens sejam construídos ao longo de uma história de horas, de forma que cada jogador insere algumas de suas características na forma de jogar, do personagem agir, na tomada de decisões. 

    Até a forma como Sonic decide correr ou avançar taticamente numa determinada fase, dependendo do jogador, muda a forma como o personagem interage com o mundo.

    Então, o meu Sonic, pode ser bem diferente do seu Sonic e nem estamos falando de um jogo com milhões de possibilidades, como um RPG, por exemplo.

    Essa experiência já é o bastante para confundir roteiristas e produtores na hora de adaptar os jogos. E nem vou entrar na questão de que horas de história precisam ser comprimidas em 120 minutos.

    No caso de Sonic, ele funciona como filme exatamente porque tira o personagem de contexto, o traz para o mundo real e cria uma nova aventura, com foco nas características mais conhecidas do personagem. Não é uma obra-prima, mas diverte. E a maioria das adaptações dos jogos não consegue nem isso.

    Resident Evil

    Claro que existem casos como o de Resident Evil, em que basicamente se decidiu ignorar os jogar e criar algo totalmente à parte, utilizando o nome da franquia, alguns personagens e mantendo a temática.

    Os filmes com Milla Jovovich são legaizinhos, mas pelo menos trazem algo diferente e divertido o suficiente para justificar a existência da franquia. A carisma da protagonista também ajuda. Já o reboot, Resident Evil: Bem-Vindo a Raccoon City, mais fiel aos games, falhou exatamente por tentar levar para as telas a experiência e história e personagens dos jogos, sem tomar o cuidado necessário para essa transição funcionar.

    E vale falar de Free Guy, que é um filme sobre videogames, com inspiração em vários títulos, mas sem  adaptar nenhum jogo específico. É uma grande diversão e, de novo, funciona, exatamente por trazer o mundo absurdo dos jogos para as telas, mas sem tentar recriar x, y ou z de tal franquia.

    Isso não significa que eu esteja afirmando que a melhor alternativa para adaptar videogames seja tirar eles de contexto, de forma alguma, estou apenas apontando o que deu certo, entre tanta coisa que deu errado. 

    O que falta?

    Falta um grupo de pessoas se reunir e criar uma adaptação de videogames que funcione no formato cinematográfico, algo como X-Men, o Filme e Homem-Aranha fizeram nos começo dos anos 2000.

    Só entendendo profundamente o material adaptado e criando um formato compatível com o cinema, é que esses filmes vão passar a acertar mais do que errar.

    Não existe uma maldição, mas ninguém resolveu o quebra-cabeças de como fazer uma adaptação de um jogo realmente funcionar na tela realmente.

    Esperamos que isso aconteça em breve!

    Veja mais