Premiado na Suíça, Mens Sana usa gênero zumbi para criticar culto ao corpo

Laureado com Menção Honrosa no Festival de Locarno, curta-metragem recorre ao cinema de gênero para criar sentidos

26/08/2011 11h02































Não há como não se encantar com a produção em curta-metragem de Pernambuco, responsável por bem-vindos sopros de criatividade. Exemplos são Praça Walt Disney e Mens Sana In Corpore Sano, que serão exibidos nesta sexta-feira (26/8) gratuitamente dentro da programação do 22º Festival Internacional de Curtas de São Paulo.

Dois filmes com aspirações, méritos e propostas diferentes, mas que representam o valor da produção pernambucana – que recentemente nos apresentou a obra-prima Recife Frio. Em Praça Walt Disney temos imagens documentais manipuladas com a liberdade ficcional para construir sentidos além do mero registro da realidade. Já em Men Sana In Corpore Sano, assistimos a uma crítica ferrenha ao culto do corpo por meio do cinema de gênero: um filme de zumbi.

No primeiro curta-metragem, os diretores Renata Pinheiro (diretora de arte de Febre do Rato) e Sérgio Oliveira (que já havia realizado o ótimo Faço de Mim o que Quero) registram a rotina de uma praça num bairro de classe média ascendente no Recife. Babás carregam os filhos das patroas, musculosos desfilam na orla, fotos da arquitetura do passado estão em contraponto com os arranha-céus do presente. Dois jovens retiram água do mar e depositam numa piscina de plástico na areia: isso mesmo, vocês não leram errado, tem gente que vai à praia para tomar banho de piscina à beira-mar.

Apenas sucessão de imagens. Por isso Praça Walt Disney é lindo, pois se tem um grande filme com muito pouco. Imagens e comentários sonoros que dão novos significados. Puro exercício do olhar deixa a questão: que cidade é essa? Veja esse quase-musical e responda.


Com referência a filme de Jacques Tati,
Praça Walt Disney é mais um curta pernambucano a mostrar criatividade

Musculoso

Num registro inteiramente diferente, Mens Sana in Corpore Sano começa como um filme qualquer: um jovem halterofilista se exercita intensamente. Suas costas largas são registradas pela imagem em formato scope (retangular). Planos fechados não deixam escapar uma gota de suor e nos fazem sentir o sofrimento para conseguir um desenvolvimento além de cada músculo.

O que aparenta ser um documentário revela-se uma interessante ficção que assume o seu ar crítico ao culto ao corpo. Mas a maneira que o diretor Juliano Dornelles encontra para fazê-lo é magistral: em vez de um filme com função social, temos um curta-metragem que se apropria das convenções do gênero de zumbi. Contar mais que isso é estragar a surpresa.

O fato é que tanto Praça Walt Disney, exibido no Festival de Locarno (Suíça), e Mens Sana in Corpore Sano, que recebeu menção honrosa no mesmo evento, instigam o espectador a olhar temas corriqueiros (a sociedade e o corpo) sob outra perspectiva.

Serviço
22º Festival Internacional de Curtas-metragens de São Paulo
Retirar ingresso uma hora antes da sessão (Programação diária aqui)

Praça Walt Disney
Sexta-feira (26/8), às 18h, no Centor Cultural São Paulo
Sábado (27/8), às 21h, na Cinemateca – Sala BNDES
Segunda-feira (29/8), às 18h, no CineSesc

Mens Sana in Corpore Sano
Sexta-feira (26/8), às 22h, no CineSesc
Sábado (27/8), às 19h, no Cine Olido
Domingo (28/8), às 18h, CineSesc
Terça-feira (30/8), às 18h, no Centro Cultural São Paulo
Quarta-feira (31/8), às 21h, na Cinemateca – SALA BNDES


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus