RIO 2011: Marisa Paredes e as as mulheres que sofrem com Almodóvar

À atriz, diretor espanhol reserva personagens que compartilham a dor com o espectador

08/10/2011 13h48

























Marisa Paredes não é uma presença tão constante nos filmes de Almodóvar quanto Carmem Maura. Apesar de a amizade entre a atriz e o cineasta ter começado quando ele ainda fazia filmes em Super-8 nos anos 70, foram apenas cinco longas (a breve aparição em Fale com Ela não conta), enquanto Carmem participou de oito longas.

Obviamente, não é apenas com números que se mede a qualidade de um trabalho ou a importância de uma parceria. Emparelhar os cinco filmes feitos juntos – Maus Hábitos, De Salto Alto, A Flor do Meu Segredo, Tudo Sobre Minha Mãe e A Pele que Habito, exibido na abertura do Festival do Rio – é perceber que a Marisa são destinadas personagens ultradramáticas, cujo sofrimento externalizado contamina o espectador.

Mulheres que choram a relação irresoluta com os filhos, tema que conecta dois filmes separados por duas décadas. Em De Salto Alto, Marisa é uma atriz que volta a Madrid para acertar as contas com a filha, enquanto em A Pele que Habito é o filho desaparecido que vem reabrir feridas do passado.

Em ambos os longas, a tristeza e a dor não permanecem internalizadas, pelo contrário: em primeiros planos, o rosto de Marisa preenche a tela de paúra. Uma das cenas mais marcantes do irregular A Pele que Habito traz justamente a atriz olhando apavorada pela câmera: o medo da morte, mas também o horror de perceber que tomou a decisão errada.


O rosto da atriz enolve Cecília Rotha em cena de Tudo Sobre Minha Mãe: Marisa interpreta a centra Huma Rojo

O palco aumenta o drama

Não raramente, Marisa Paredes está num palco, vivendo artistas veteranas que descobrem ainda serem idolatradas. Huma Rojo, sua personagem em Tudo Sobre Minha Mãe, detona o primeiro grande acontecimento do filme, ou seja, a morte do garoto Esteban. A peça à qual sua mãe, Manuela (Cecilia Roth), assiste e se relaciona com o passado tem no corpo de Marisa Paredes o maior drama.

Artista também é a personagem da atriz em De Salto Alto, um dos melodramas mais rasgados de Almodóvar. A sequência musical em que Marisa, na pele de Becky, interpreta Piensa em Mí é um primor. Talvez seja justamente em cenas que levam a carga dramática ao extremo que Marisa entregue suas melhores atuações – diferente do tom irônico das mulheres de Carmem Maura ou contido de Cecilia Roth.


Marisa Paredes (à dir.) como a Irmã Esterco de Maus Hábitos: freira que toma lisérgico a toda hora

Falta citar dois filmes, que deixo por último por conta da diferença de resultados. A Flor do Meu Segredo, um dos filmes mais fracos de Almodóvar em que Marisa transita no mesmo tom dramático, e o mais que engraçado Maus Hábitos, com a história de um grupo de freiras que têm na dor do castigo o grande alimento.

Todas as freiras são imperfeitas: a madre superiora é viciada em heroína, outra escreve romances policialescos baratos, outra é maníaca por limpeza. Marisa, que interpreta uma ex-assassina, consome lisérgico e vê o mundo em cores distorcidas.

Se fosse escolher entre minhas aparições preferidas de Marisa nos filmes de Almodóvar, ficaria com dois registros diferentes: a freira lisérgica de Maus Hábitos e a artista ressentida de Tudo Sobre Minha Mãe.

A Pele que Habito, colaboração mais recente entre a atriz e o cineasta que tem data de estreia para 4 de novembro, certamente não entra nesta lista. Mesmo com Marisa defendendo o filme em entrevistas.

Filmografia de Marisa Paredes com Pedro Almódovar

Maus Hábitos (1984), como Irmã Esterco
De Salto Alto (1991), como Becky del Páramo
A Flor do Meu Segredo (1995), como Leo Macías
Tudo Sobre Minha Mãe (1999), como Huma Rojo
A Pele que Habito (2011), como Marilia


Deixe seu comentário
comments powered by Disqus