cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Mostra: Scary Mother traz o poder da mulher ao desafiar convenções sociais

    Longa é dirigido pela novata Ana Urushadze
    Por Iara Vasconcelos
    24/10/2017

    Uma das melhores experiências que a Mostra de Cinema de São Paulo nos oferece é poder conferir filmes de países pequenos e completamente distantes de nós, tanto geograficamente quanto culturalmente. Um bom exemplo disso é o suspense Scary Mother, uma coprodução entre Geórgia e Estônia.

    O longa marca a estreia da diretora Ana Urushadze, filha do conceituado cineasta Zaza Urushadze, que concorreu ao Oscar de filme estrangeiro com o drama Tangerinas, e apresenta o retrato de uma mulher que cansa da vida doméstica e resolve seguir seu antigo sonho.

    Aos 50 anos, Manana (Nato Murvanidze) tomou a maior decisão de sua vida ao desafiar convenções sociais e as expectativas de sua família e resolver escrever sua primeira ficção. Entretanto, o seu marido Anri (Dimitri Tatishvili) acha que sua obra é "pornográfica" e ousada demais e exige que a esposa desista de publicar a obra, mas com o apoio de seu amigo Nukri (Ramaz Ioseliani), Manana decide seguir em frente, sem que para isso tenha que se privar do convívio de sua família.

    A trama é adornada pela paisagem fria e concretada da cidade de Tbilisi, capital da Geórgia, e serve como um reflexo para a situação de angústia e depressão em que a protagonista de encontra. Urushadze bebe na fonte de diversos gêneros para conduzir a história. Há uma base de drama, com boas doses de comédia e um leve flerte com o suspense psicológico - pena que esse último seja o menos convincente.

    O longa serve bem ao seu propósito de questionar os reflexos da sociedade patriarcal na vida de Manana e consegue demonstrar a evolução de sua figura ao longo da trama, de frágil e comedida até uma mulher decidida a escolher o seu próprio futuro. O grande problema de Scary Mother é que, por vezes, parece estar mais comprometido com a estética do que com o conteúdo. Como resultado, temos personagens superficiais e subtramas com pontas soltas e pouco explicadas.

    Scary Mother ainda terá sessões no dia 27, às 19:00h, e no dia 29, às 17:10, ambos no Itaú Frei Caneca. Para mais informações, consulte o site oficial do evento.