cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Do teatro ao cinema: a carreira de sucesso de Paulo Gustavo

    Há um ano falecia um dos maiores nomes do entretenimento brasileiro
    Por Da Redação
    30/10/2021 - Atualizado há 15 dias

    "Marcelina!" provavelmente é um grito que você conhece de longe. Como não lembrar de Dona Hermínia, personagem icônica de Minha Mãe É Uma Peça interpretada pelo nosso saudoso Paulo Gustavo, ator e diretor que nos deixou há um ano?

    O humorista marcou o seu nome em várias outras mídias e deixou muita saudade no público. 

    Para homenagear esse grande nome do entretenimento brasileiro, saiba mais sobre como o carioca foi dos palcos às telas:

    Teatro

    Paulo Gustavo começou a se destacar nos palcos em 2004, ao integrar o elenco da peça O Surto. E adivinhe a personagem que ele criou para o espetáculo? Sim, Dona Hermínia! O ator praticamente começou a sua carreira com um dos seus maiores sucessos. 

    Em 2006, o astro criou um monólogo para Hermínia, que foi inspirada na sua própria mãe, Dona Déia Lúcia. A partir dessas apresentações, ele caiu no gosto do público e conseguiu levar a personagem para outras mídias. 

    Porém, antes de falarmos do sucesso de Paulo na TV e no cinema, ainda precisamos destacar outras duas peças renomadas dele: Hiperativo (2010) e 220 Volts (2014). A primeira comprova a veia cômica característica do astro tão amada pelos fãs, pois é um show de stand-up. 

    Já a segunda trazia ele vivendo várias personagens femininas - sua marca registrada - e interagindo com outros atores, como Marcus Majella - o qual ele viria a contracenar nas produções de Vai Que Cola

    TV

    Como podemos ver no currículo teatral de Paulo Gustavo, o ator foi tão bem-sucedido em suas obras justamente por conseguir criar empatia no público. Não à toa, 220 Volts também foi para a TV; uma das personagens da franquia, por exemplo, é Maria Alice, que adora falar sobre a vida dos famosos. E quem não adora uma fofoca das celebridades, não é mesmo?

    Produções como Além da Ilha e A Vila estão entre mais destaques de Paulo nas telinhas, mas não há como não realçar duas franquias que, assim como Minha Mãe É Uma Peça, chamaram a atenção dos espectadores também nos cinemas: Vai Que Cola (2013) e Divã (2011).

    Na primeira, o ator interpretou o trambiqueiro Valdomiro Lacerda, que mora na pensão da Dona Jô (Catarina Abdala) e vive entre o amor e ódio com os outros moradores, como a filha dela, Jessica (Samantha Schmütz, outra grande parceira de Gustavo em diversos trabalhos). 

    Divã fez o caminho inverso, foi do cinema para a TV. Na história, ele vive o cabeleireiro da protagonista, encarnada por Lilia Cabral. A sua performance prova o talento do ator por ele roubar a cena como um coadjuvante; ele conseguiu até ser lembrado pelo bordão "repica, René", em que a personagem principal pede para ele cortar o cabelo dela. 

    Cinema

    Paulo Gustavo se consagrou como um dos principais atores e diretores do cinema brasileiro. Após ter participado de alguns longas, inclusive Divã em 2009, Dona Hermínia o fez emplacar nas telonas como Minha Mãe É Uma Peça - O Filme (2013). O sucesso do filme rendeu duas sequências, sendo que Minha Mãe É Uma Peça 3 se tornou a maior bilheteria do cinema nacional. 

    Além da adaptação Vai Que Cola - O Filme, outro grande projeto do astro nos cinemas é a franquia Os Homens São De Marte... E É Pra Lá Que Eu Vou. Da mesma forma que Gustavo, Mônica Martelli ganhou o apreço dos fãs com um monólogo, posteriormente adaptado para as telonas. 

    O filme ganhou uma sequência, Minha Vida Em Marte. Ambas as produções foram bem-sucedidas, principalmente pela interação hilária entre Gustavo e Martelli, que na trama trabalharam juntos e se tornaram grandes amigos fora do expediente. 

    Que saudades, Paulo Gustavo!

    Veja também: