cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • GAMES
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    Em 'tick, tick... BOOM!', Andrew Garfield dança e canta por um Oscar

    Em musical inventivo sobre lenda da Broadway, o ex-Homem-Aranha brilha
    Por Flávio Pinto
    23/11/2021 - Atualizado há 13 dias

    Andrew Garfield resolveu tirar o ano de 2021 para surpreender o público. 

    Começando pela sua performance como o escandaloso pastor televisivo Jim Bakker em Os Olhos de Tammy Faye, ainda inédito no Brasil — mas que provavelmente vai passar batido pela trama escandalosa e a falta de conhecimento do público nacional sobre a excêntrica Tammy Faye Bakker. 

    Mas agora — bem mais acessível, tanto em temática como por meio da distribuição pela Netflix — eis que o ex-Homem Aranha está recebendo os melhores elogios de sua carreira no novo musical da plataforma de streaming: tick, tick...BOOM!, no qual interpreta Jonathan Larson, dramaturgo vencedor do Tony pelo musical Rent

    No inventivo novo filme, Garfield solta a voz e remexe o esqueleto com músicas que falam sobre preconceito, saúde mental, frustração e outras "pragas" do mundo moderno. Será que o ex-Homem-Aranha vai chegar no Oscar de melhor ator? 

    Com vozerão e estilo, ex-Homem-Aranha pode chegar no OscarDivulgação (Netflix)

    O perfil de Andrew de acordo com os votantes do Oscar

    Garfield não é exatamente um "ninguém" pelo crivo da Academia. Os membros do grupo seleto de votantes tomou conhecimento do ator britânico em A Rede Social, em 2011. Um dos filmes mais aclamados e indicados daquele ano, como co-protagonista ele foi claramente visto no filme, mas não chamou tanta atenção. Mesmo tendo sido indicado aos maiores prêmios prévios da temporada, ele foi esnobado pelo papel do brasileiro Eduardo Saverin.

    Mas em 2016, seu perfil já não era mais o mesmo. Já consolidado como estrela, em parte pela fama de O Homem-Aranha, Garfield foi indicado como melhor ator no filme de Mel Gibson, Até o Último Homem. Caso o ator conquiste os membros votantes mais uma vez, ele vai se tornar o 21.º ator a receber uma indicação por um filme musical. Sem contar que, por Tammy Faye, ele pode concorrer como coadjuvante e caso isso aconteça, ele entrará ao grupo seleto de atores que conquistaram uma indicação dupla no mesmo ano. 

    A relação dos indicados por musicais pela Academia

    Por conta dos paradigmas da indústria, os filmes musicais sofreram uma queda na produção nos anos mais recentes — embora este ano, o gênero tenha dado uma 'reanimada'. Mas no começo do cinema moderno, especialmente durante os primeiros anos do Oscar, a inserção desses filmes na premiação era bem comum. Especialmente na categoria de melhor ator. 

    Quase metade das 20 indicações de melhor ator por filmes musicais foram registradas durante as duas primeiras décadas da premiação. Os primeiros nomes a disputar pelo gênero foram Maurice Chevalier e Lawrence Tibbett por Alvorada do Amor e Amor de Zíngaro, respectivamente, na terceira edição do prêmio, em 1930. Já no final daquela década, Mickey Rooney também recebeu uma nomeação na categoria por Sangue de Artista.

    Em Alvorada do Amor, Maurice Chevalier vive um conde rude que desperta o amor de uma rainhaDivulgação (MUBI)

    Mas só na década seguinte que alguns atores, de fato, levaram o troféu para casa em filmes musicais. O primeiro foi James Cagney por A Canção da Vitória. Logo em seguida, após um intervalo de dois anos, Bing Crosby levou a melhor por O Bom Pastor.

    Depois uma série de indicações foram dadas a atores que cantaram e dançaram em seus filmes: Gene Kelly por Marujos do Amor, Larry Parks por Sonhos Dourados e Dan Dailey por When My Baby Smiles at Me. Já nos anos 50, foram as vezes de James Mason por Nasce uma Estrela e, novamente, James Cagney por Ama-me ou Esquece-me.

    Isso somente na era clássica de Hollywood. Avançando um pouco no tempo, a década de 70 só recebeu duas indicações pelo gênero na categoria, que sumiu de vez e só voltou a dar o ar da graça em 2008 graças à Johnny Depp em Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet.

    Em anos recentes, dois outros atores de musicais também chegaram a ser indicados: Hugh Jackman por Os Miseráveis e Ryan Gosling por La La Land.

    Considerando a reanimada dos musicais em 2021, é possível Garfield chegar lá este ano?

    Ryan Gosling foi o último ator da categoria a receber uma indicação por musical. O bonitão foi nomeado por La La Land em 2017Divulgação

    No Oscar 2022, a categoria de melhor ator está pegando fogo

    Embora a corrida esteja ainda caminhando, aparentemente ninguém tem como tirar o favoritismo de Will Smith, que deve concorrer — e ganhar — por King Richard: Criando Campeãs. É matemática pura e simples: astro querido e indicado anteriormente (mas sem vitórias), bem-quisto pela indústria e em um filme que deve ser a escolha afetiva do ano. 

    Mas não só ele deve concorrer. Este ano, a categoria de melhor ator está quente como nunca. Além de Smith, outros astros que também estão cotados para uma indicação são: Benedict Cumberbatch por Ataque dos Cães, Denzel Washington por A Tragédia de Macbeth, Joaquin Phoenix por C’mon C’mon e Leonardo DiCaprio por Não Olhe para Cima.

    Como você pode ver, apenas astros. Por conta do alto calibre da categoria, outros nomes que ganharam elogios em festivais ao longo do ano devem passar batido, como Simon Rex por Red Rocket, por exemplo.

    Will Smith parece imbatível este ano na corrida pelo OscarDivulgação (Warner)

    Em tick, tick... BOOM Garfield triunfa. Ele canta e dança como se o fizesse desde que nasceu. Sua performance contém uma vulnerabilidade inédita ainda para o ator, sem contar com  uma carga dramática poderosa e intensa. É simplesmente o tipo de papel que um ator, seja ele musicalmente treinado ou não, sonha.  

    Mas para o Oscar, a história não é assim. Apenas três atores ganharam o prêmio por musicais, e esses mesmos atores estiveram em filmes que foram altamente aclamados em seus respectivos anos: A Canção da Vitória, O Bom Pastor, O Rei e Eu e Minha Bela Dama. Todos ganharam, no mínimo, três estatuetas. Sem contar que O Bom Pastor e Minha Bela Dama levaram o prêmio de melhor filme. 

    Então para Garfield acontecer, seu filme terá que ser totalmente amado pela Academia. E mesmo assim, isso talvez nem garanta a vitória (vide Gosling por La La Land). Mas sendo indicado ou ano, com duas grandes performances, o ator deixa de vez a imagem de Homem-Aranha e pode se considerar um dos melhores atores de sua geração. E um título como esse já conta como uma grande vitória.

    Andrew Garfield canta e dança "Boho Days", de 'tick, tick... BOOM!'

    tick, tick... BOOM! está disponível pela Netflix e em salas de cinema brasileiras.

    Leia também