cineclick-logo
    botão de fechar menu do cineclick
  • FILMES
  • NOTÍCIAS
  • CRÍTICAS
  • LISTAS
  • © 2010-2021 cineclick.com.br - Todos os direitos reservados

    TopCine: 10 filmes para provar que quadrinhos não vivem só de super-heróis

    Por Christian Costa
    12/11/2010

    Nesta semana, estreia, nos cinemas de todo o país, o filme Red – Aposentados e Perigosos, com veteranos ex-agentes da CIA voltando ao serviço para um último trabalho. Embora seja um típico filme de ação, Red nasceu nos quadrinhos. Veja em nosso TopCine desta semana 10 filmes baseados em quadrinhos sem super-heróis e das mais diversas temáticas:

    01) Marcas da Violência
    Um dos raros filmes em que David Cronenberg não utilizou elementos insólitos e nojentos – ao menos não literalmente – ao lado de Senhores do Crime, Marcas mostra um homem de família que começa a ser confundido com um assassino e tem sua vida ameaçada pelo crime organizado. Publicada previamente em quadrinhos pela Vertigo, selo adulto da DC Comics, a adaptação rendeu uma curiosa indicação ao Oscar para William Hurt (Instinto Secreto), por uma atuação magistral de cerca de cinco minutos.





    02) As Múmias do Faraó
    Filme mais recente de Luc Besson, Múmias foi originalmente "As Extraordinárias Aventuras de Adèle Blanc-Sec", uma história em quadrinhos franco-belga do autor Jacques Tardi. O artista fez parte da Métal Hurlant (conhecida mundialmente como Heavy Metal), revista francesa responsável pela primeira exposição da vanguarda europeia dos quadrinhos, formada por artistas como Alexandro Jodorowsky (The Rainbow Thief), Enki Bilal (Tykho Moon) e Jean "Moebius" Girard (O Quinto Elemento).









    03) Anti-Herói Americano
    Uma das maiores antíteses do estereótipo dos quadrinhos fantásticos, American Splendor mostrou Harvey Pekar contando sua história sem brilho e exaustivamente comum, tanto nos quadrinhos quanto nas telonas. O filme conta tanto com o próprio autor quanto com Paul Giamatti interpretando-o e, muitas vezes, os dois dialogam sobre sua existência enfadonha - ou até mesmo sobre a interpretação de Giamatti.












    04) O Gato Fritz
    Além de Harvey Pekar, a contracultura dos quadrinhos teve outro grande representante chegando aos cinemas: Robert Crumb. Seu personagem é um gato usuário de drogas e libidinoso que divide um apartamento com outros animais desajustados na época pós-hippie. A história chegou aos cinemas através de uma animação desenhada por Ralph Bakshi, que fez também a primeira interpretação audiovisual de Senhor dos Anéis, além do desenho Super Mouse.











    05) Do Inferno
    A história do assassino serial conhecido como Jack, O Estripador já foi adaptada para o cinema algumas vezes, mas uma das mais bem sucedidas foi a versão de Alan Moore (criador de Watchmen - O Filme e A Liga Extraordinária), que foi antes uma história em quadrinhos de luxo (graphic novel). Na adaptação, Johnny Depp é um inspetor de polícia que tem visões e resolve ir atrás do criminoso, que está matando prostitutas sistematicamente.










    06) Mundo Cão
    Um dos primeiros filmes de destaque de Scarlett Johansson e um dos últimos notáveis de Thora Birch, Mundo Cão mostra duas amigas que acabam de se formar e se sentem excluídas da sociedade. A produção, dirigida por Terry Zwigoff, foi baseada na HQ indie do premiado Daniel Clowes.














    07) Os Perdedores
    Mais uma adaptação do selo Vertigo, The Losers mostra um grupo de agentes da CIA que foi traído e deixado para trás numa operação na Bolívia, mas sobrevive e resolve se vingar daqueles que armaram para cima deles. O gibi ganhou o prêmio Eisner de 2004 de "melhor nova revista". O elenco conta com Chris Evans e Zoe Saldana entre os personagens centrais.













    08) Oldboy
    Um dos filmes da “trilogia da vingança”, feita pelo sul-coreano Chan Wook Park, Oldboy foi baseado no mangá de mesmo nome criado pelo japonês Garon Tsuchiya. Os direitos da publicação no Ocidente foram adquiridos pela Dark Horse Comics e a história teve recepção tão boa que atualmente já está sendo planejado o remake americano. Entre os candidatos a diretor, estão Steven Spielberg (Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal), Matthew Vaughn (Kick Ass - Quebrando Tudo) e Danny Boyle (Quem Quer Ser um Milionário).













    09) Desbravadores
    Karl Urban (Star Trek) interpreta um nativo americano durante o século X, numa suposta chegada mal-sucedida dos vikings às Américas. Clancy Brown (A Hora do Pesadelo) é o líder bárbaro neste épico baseado também em uma graphic novel da Dark Horse, desenhada por Christopher Shy. Eis um caso onde o visual tenebroso e clima soturno feito para o quadrinho acompanhou bem a transição para o cinema.













    10) Estrada para Perdição
    Dirigido por Sam Mendes, Estrada se passa na época da Grande Depressão e dos gangsters. Grande sucesso de bilheteria, protagonizado por Tom Hanks, o filme foi antes visto nos quadrinhos pelas mãos de Max Allan Collins e Richard Piers Rayner, que já se inspiraram em outra revista japonesa para a trama: Lobo Solitário, de Kazuo Koike.






    A lista não precisaria parar aqui. Logo teremos a estreia de Cowboys & Aliens, temos a boa ficção-científica Substitutos, o horror 30 Dias de Noite ou mesmo famosos anti-heróis sem poderes muito evidentes, como Constantine, O Corvo e os amargurados personagens de Sin City - A Cidade do Pecado. Isso para não mencionar heróis mais excêntricos, como o esquizofrênico e hilário O Máskara ou a sedutora Barbarella. Importantes animações como Akira e Persépolis também vieram dos quadrinhos. E, veja bem, caro leitor, não citamos nesta matéria nenhum dos super-grupos ou super-heróis que estão sempre associados às adaptações de quadrinhos para o cinema. E se começarmos a lista de filmes que foram para os quadrinhos, vamos mais longe ainda: clássicos como 2001: Uma Odisséia no Espaço, Alien, O Oitavo Passageiro, Indiana Jones, Parque dos Dinossauros, Star Wars, Tron - Uma Odisséia Eletrônica, Psicose, entre muitos outros, também foram para as páginas desenhadas e cheias de balões. Há muito mais diálogo entre a sétima e a nona artes do que se pode imaginar. Você lembra de mais alguma?